Forence

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2937 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

LICENCIATURA EM PSICOLOGIA

3º ANO – COIMBRA – 2012/13







PSICOLOGIA FORENSE







Docente: Dra.Helena Amaro

Trabalho realizado por:

Hugo Mendes

Luís Neves

Vitor Nunes







Resumo: A nossa análise do filme “We need to talk about Kevin” teve uma abordagem psicanalítica, pois existem noinicio um conjunto de comportamentos e distúrbios neuróticos que podem ser explicados à luz da psicanálise.

Muitas questões são levantadas, como a instituição da família, o papel dos pais na criação dos filhos, a vinculação (ou a sua ausência), o prolongamento da fase anal, um possível complexo de Édipo, a ausência do seio, o comportamento anti-social e a psicopatia.




Palavras-chave:fase anal, complexo de Édipo, ausência do seio, perturbação da oposição

Keyword: anal phase, the Oedipus complex, no sinus, disruption of opposition


Abstract: Our analysis of the film "We need to talk about Kevin" had a psychoanalytic approach because there early in a set of behaviors and neurotic disorders that can be explained in light of psychoanalysis.

Many questions are raised, suchas the institution of the family, the role of parents in raising children, the relationship (or lack thereof), the extension of the anal phase, a possible Oedipus complex, the absence of the breast, the antisocial behavior social and psychopathy.




Introdução

Começaremos por fazer uma caraterização da história do ponto de vista dinâmico, destacando os pontos mais importantes a analisar.Sinapse



Eva vive numa casa que aparenta abandono, sozinha e em sofrimento, apenas sai para fazer compras e procurar emprego e mesmo isso parece em grande esforço. Em antítese com esse cenário de decadência social, somos levados a outro momento, no qual vemos Eva, uma mulher bem sucedida profissionalmente, casada e com filhos.
Eva não queria ser mãe, mas cede ao desejo do seu marido.Nasce então Kevin e por consequência a relação extremamente conturbada que marcaria toda a experiência de ambos. O filho é representado em quatro momentos do seu desenvolvimento, ainda bébé, em dois momentos da infância, e na adolescência. Kevin, desde a sua primeira infância (primeiros seis anos de idade) já revela um comportamento peculiar, demonstrando o que parecem ser duas máscaras, uma napresença do pai e outra, na presença da mãe. Ao lado do pai, um menino dócil e ingénuo, enquanto que em frente à mãe, uma criança fria e perturbadora. À medida que Kevin cresce, essas características intensificam-se.
Relativamente à figura paternal, trata-se de um pai ausente, que recusa qualquer indício de que haja algo de errado.
A irmã, representa o oposto do irmão. Dócil e prestável, acaba porser um alívio para a mãe. O auge da perversidade ocorre quando Kevin promove uma verdadeira chacina na escola, assassinando vários colegas. Antes disso, porém, mata o próprio pai e a irmã.
O prolongamento da fase anal



A fase anal abrange aproximadamente os 0 e o 2ºano de vida e no Kevin vai até aos 7 anos e pode dizer-se que é uma fase consagrada ao controlo e domínio (pulsão de domínio). Oprazer anal (a excreção das fezes) vai a partir de agora conflitualizar-se.

Nesta fase, trata-se quer de conservar os objetos passados para o interior de si, quer de os expulsar através da destruição.

O objeto pulsional é relativamente complexo, porque não pode ser reduzido ao bolo fecal, funcionando a mãe como um objeto parcial a dominar e a manipular.

A criança considera as fezes comouma parte de si mesma que quer expulsar e reter (distinção entre o dentro e o fora) e que se torna moeda de troca entre ela e o adulto. Em função do tempo e do lugar de expulsão ou retenção, o objeto fecal pode tomar o valor de um bom ou um mau objeto (arma ou presente relacional). É nesta fase que a criança consolida a fronteira entre o interior e o exterior, entre o Eu e o não Eu e começa a...
tracking img