Fluidos de usinagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4454 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
GESTÃO DE FLUIDOS DE USINAGEM

MARIA JULIETA ESPINDOLA BIERMANN mjulieta@terra.com.br Cel (51) 9982 6006
30/9/2008 Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann 1

OBJETIVO
RISCOS AMBIENTAIS

RISCOS OCUPACIONAIS FLUIDOS DE USINAGEM

PmaisL APLICADA

APLICAÇÕES GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

2

CONCEITO
Fluido de Usinagemou Fluido de Corte é um material composto, na maioria das vezes, líquido, que deve ser capaz de:
refrigerar, lubrificar, proteger contra a oxidação e limpar a região da usinagem.
30/9/2008 Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann 3

Fluidos de Usinagem

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

4

APLICAÇÕES do Fluido de Usinagem

Dois fatores; • 1. Geraçãoexcessiva e/ou redução ineficiente de calor pelo sistema ferramenta cavaco peça • 2. Ocorrência de esforço elevado ( atrito)

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

5

APLICAÇÕES do Fluido de Corte

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

6

Efeitos da temperatura no processo de usinagem

• Desgaste acelerado da ferramenta

• Dano térmico àestrutura da peça usinada

• Distorção devido à dilatação térmica

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

7

Fluido de Usinagem como REFRIGERANTE

Para que o fluido de usinagem reduza o calor de forma eficiente, ele deve possuir; • • • Baixa Viscosidade “Molhabilidade” Alto calor específico e baixa condutividade térmica

30/9/2008

Eng. Química Maria JulietaEspindola Biermann

8

Fluido de usinagem como Lubrificante
• Atua

reduzindo o atrito entre ferramenta

cavaco

peça

•Redução de esforços •Redução de atrito. Características de um bom lubrificante; Resistir a altas pressões e temperaturas Possuir boas propriedades antifricção e antisoldantes Possuir viscosidade adequada – baixa o suficiente para que o
fluido chegue a zona a serlubrificada e alta o bastante para permitir boa aderência

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

9

Como refrigerante ele atua:

• Sobre a ferramenta - evita que ela atinja temperaturas muito altas e perca suas características de corte. • Sobre a peça - evita deformações causadas pelo calor. • Sobre o cavaco - reduz a força necessária para que seja cortado.
30/9/2008Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann 10

Como lubrificante

• Facilita o deslizamento dos cavacos sobre a ferramenta e diminui o atrito entre a peça e a ferramenta. • Reduz o coeficiente de atrito na região de contato ferramenta-cavaco melhorando o rendimento da máquina.

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

11

Como protetor contra oxidação

• Protege apeça, a ferramenta e o cavaco, contribuindo para o bom acabamento e aspecto final do trabalho.

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

12

Ação de limpeza

• Como conseqüência da aplicação do fluido de corte em forma de jato, cuja pressão afasta as aparas deixando limpa a zona de corte e facilitando o controle visual da qualidade do trabalho

30/9/2008

Eng.Química Maria Julieta Espindola Biermann

13

GESTÃO DE FLUIDOS DE USINAGEM
PROCESSO DE USINAGEM

ENTRADAS

SAIDAS

PRODUTO
30/9/2008 Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann 14

FLUIDOS DE USINAGEM

CLASSIFICAÇÃO

30/9/2008

Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann

15

1. Fluidos integrais, isentos de água:
Óleos integrais isentos de água cuja base pode ser: • a)mineral (óleos de petróleo de base parafínica ou naftênica); • b) sintética (ésteres, diésteres); • c) vegetal (canola) ou ainda • d) mistos misturados para dar maior compatibilidade aos aditivos.

Vantagens; • Não são corrosivos • Longa duração se mantido limpos
30/9/2008 Eng. Química Maria Julieta Espindola Biermann 16

2.

Fluidos à base de água: emulsões e soluções

• São...
tracking img