Flexibilidade organizacional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3759 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Actas dos ateliers do Vº Congresso Português de Sociologia Sociedades Contemporâneas: Reflexividade e Acção Atelier: Contextos Organizacionais e Organizações

Flexibilidade organizacional e práticas de gestão de recursos humanos: Estudo de caso numa empresa de fabrico de componentes para automóveis.
Maria Amélia Marques 1
Partindo do pressuposto que a flexibilidade organizacional, e asvantagens competitivas obtidas, dependem essencialmente das opções estratégicas das organizações e particularmente da forma como estas as articulam com o conjunto de práticas de gestão de recursos humano, a presente comunicação pretende analisar, através de um estudo de caso numa empresa do subsector de fabrico de veículos automóveis o grau de congruência e de integração das práticas de gestão derecursos humanos e os impactos das mesmas na qualificação/desqualificação dos recursos humanos, entendido este consensualmente como factor-chave da competitividade. 1. Breve evolução das práticas de gestão de recursos humanos O crescente interesse pela problemática da gestão de recursos humanos (GRH), e em particular a necessidade de conceptualizar modelos que sistematizem as práticas de GRH, deveseglobalmente a três ordens de razões (Tyson, 1995, Cit in Neves, 2002): uma primeira, de natureza social, resultante do facto da GRH enquanto gestão do emprego ser determinante para o funcionamento da sociedade; uma segunda, de natureza política, relacionada com a forma como as relações de poder inerentes ao trabalho e ao emprego, bem como as relações entre trabalho e recompensas, terem fortesimpactos nos problemas sociais; e, uma terceira, de natureza cultural, que se prende com o facto da GRH ter como principal contributo assegurar, no contexto organizacional, o exercício da autoridade, a definição dos papéis e a partilha de valores e objectivos comuns, entre outros. Genericamente, os modelos normativos de GRH podem ser classificados de “hard” e “soft” (Storey, Cit in Caetano eTavares, 1998), designando, em sentido lato, o “hard” a integração estratégica da GRH na gestão de linha e o “soft” uma GRH focalizada essencialmente no desenvolvimento do potencial humano. Decorrente disto a abordagem “hard” enfatizaria, à priori, uma conceptualização da GRH como um custo em oposição à abordagem “soft” que a encararia como um investimento, que pressuporiam, de acordo com o modelo dosvalores contrastantes de Quinn (1988), duas culturas organizacionais diferentes, a de sistemas abertos e a dos objectivos racionais. No entanto, para Legge (Caetano e Tavares, 1998; Neves, 2002) estes modelos não são necessariamente incompatíveis, exibindo mais semelhanças do que diferenças, como sejam a necessidade de integrar a GRH na estratégia organizacional e o desenvolvimento do potencialhumano. A evolução da designação da função e do tipo de actividades que a compõem são indicadores da crescente importância do factor humano nas organizações que se confrontam com envolventes cada vez mais dinâmicas, que exigem das organizações uma maior flexibilidade conjugando sobretudo as potencialidades dos RH com as novas tecnologias de informação (Cfr. Kovács, 2002). A maioria dos autoresdivide esta evolução em três grandes períodos (Brandão e Parente, 1998): o da Administração de Pessoal (fim do século XIX até aos anos 50/60); o da Gestão de Pessoal (início nos anos 60 até aos anos 80; e o da Gestão de Recursos Humanos (que tem início nos anos 80). O período da Administração de Pessoal, que engloba as três primeiros fases, designadas por Bessyre des Horts (1987) como “direcção depessoal”, “direcção das relações sociais” e “direcção das relações humanas”, caracteriza-se, em termos gerais, pela incidência: no controlo da disciplina no trabalho; no respeito pela legislação; nas relações com os parceiros sociais e negociações contratuais; e nas questões da motivação e
1

amarques@esce.ips.pt

66

Actas dos ateliers do Vº Congresso Português de Sociologia Sociedades...
tracking img