Filosofia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1474 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
QUESTÕES de Filosofia 2
Abril maio de 2011.

Cap. Compaixão. [pp.115 a 129]
1. Explique ‘A simpatia não tem a menor consideração com o valor’.
Simpatizar é o mesmo que “sentir com”, partilhar o sentimento do outro, mesmo
que este seja ruim, como o ódio, por exemplo. A simpatia pode estar ligada a
sentimentos morais e imorais, o que faz com que ela não tenha relação com
valor, sendoapenas o compartilhar de um sentimento, bom ou ruim.

2. Explique: ‘Todo sofrimento merece compaixão’?
Compaixão é “sofrer com”, e mesmo nem todos os sofrimentos não se
equivalendo eles não deixam de ser sofrimento, e todo sofrimento é mal, algo
ruim, e por isso é algo lastimável, merecido de compaixão.

3. Explique: ‘Nossos desejos, na maioria das vezes, são moralmente indiferentes’.Todo desejo, ou prazer, é um bem, no mínimo um bem a quem deseja algo,
mesmo que esse desejo seja imoral (que seja mal a outro) ele continua sendo um
bem o que o torna moralmente indiferente.

4. O que é a Piedade?
A piedade é a imitação da tristeza do outro e só aumenta o sofrimento no
mundo. Ela está ligada à impotência, ou à falta de se potencializar para agir
e ajudar a reduzir atristeza ou sofrimento do outro. Ela é melhor que nada,
mas mesmo assim não se faz justamente melhor pelo fato de não reduzir o
sofrimento, mas aumentá-lo, não em tamanho, mas em número.

5. ‘Não somos obrigados a tomar sobre nós as penas dos outros’ defenda esta idéia.
Tomar as penas dos outros seria o mesmo que ter piedade, e ter piedade não
é necessário e muito menos é a solução do fatoque leva a se sentir piedade
do outro. A solução está apenas na ação e não na piedade, entristecer com o
outro apenas fará mais um tristonho, agir contra o mal que gera a tristeza é que
reduzirá essa tristeza.

6. ‘A compaixão é o principal móvel da Moral’. Explique com suas palavras.
Por se uma virtude que não é boa de ser sentida e nem que sintam por você, a
compaixão move e origina ovalor da moralidade

7. O que o autor entende por Barbárie?

8. 1ª compaixão é ligada ao espírito’. Explique com suas palavras.
Em nós mesmos, o espírito, nasce do sofrimento – da coragem, nos outros, é compaixão. Só o espírito pode sentir compaixão, não no sentido de que o espírito possui essas virtudes, e sim no sentido de que ele é formado por elas.
9. ‘Mais vale fazer política doque caridade, em relação aos miseráveis.
O autor se põe de acordo com a afirmação acima no sentido de que não nos dispensa de termos com os pobres ou excluídos, uma atitude de fraternidade, de respeito, de disponibilidade de ajuda, pois a política não basta a tudo, por uma ação concreta de benevolência ou de solidariedade.

Cap. Misericórdia [pp. 131 a 144].
1. Nem Deus pode fazer com queo passado não tenha sido. Analise esta idéia.
Não possuímos o poder de apagar uma falta, pois o passado é irrevogável e toda verdade é eterna. Sendo assim, se tentamos esquecer uma falta, estamos faltando com a fidelidade à ela – retomando os princípios do segundo capítulo.

2. Defina clemência, absolvição e perdoar.
A clemência renuncia o punir – (podemos odiar sem punir e punir semodiar).
A absolvição é o poder de anular os pecados ou as faltas.
Perdoar é cessar de odiar, é triunfar sobre o ressentimento, sobre o ódio justificado, o rancor, o desejo de vingança ou de punição. È cessar de ter raiva de quem nos ofendeu ou prejudicou.

3. Sobre o que pensa, reflete o misericordioso?
O misericordioso reflete sobre o rancor, que é um ódio. Reflete sobre si mesmo, sobre oscrimes que reclamam nossa misericórdia. A misericórdia é mais difícil e rara.
4. O corpo quer punir, quer vingar, quer o ódio, rancor, cólera. Relacione misericórdia com a reflexão.
Em pedoar, há doar. O corpo tende a ser a parte selvagem e instintiva, que controlada pelo espírito, através da reflexão, é capaz de colocar em prática a misericórdia.

5. Explique: um erro não é crime.

O...
tracking img