Filosofia no curriculo escolar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1232 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
LÍDERES DE MAIS, GESTORES DE MENOS !

PROGRAMA GESTÃO ESCOLAR DE QUALIDADE

melhoramento contínuo

Gestão Escolar de Qualidade www.gestaoescolardequalidade.org.br

Conselho Nacional de Certificação
Guiomar Namo de Mello Presidente

Heloisa Luck
Curitiba - PR

Ivana Siqueira
Brasília - DF

Elvira Lima
São Paulo - SP

Conselho Nacional de Certificação

Profa. DorinhaPalmas - TO

Marcos Magalhães
Recife – PE

Maria Helena Reynaldo Fernandes
São Paulo - SP Rib Preto – SP

Laila Aninger
B. Horizonte – MG

Maria Madalena
Recife - PE

Simon Schwartzman
Rio de Janeiro - RJ

Vilma Guimarães
R.de Janeiro - RJ

Escolas com melhores resultados
Pesquisa da FVC e Ibope
Coord Prof. Mário Aquino – F. Carlos Chagas

1. Qualidade da formação dosgestores 2. Visão integradora (menos foco no operacional) 3. Clima organizacional

Gestão: Escola Eficiente
Fuente: Informe UAI, 2006, Sección 1.7.7.

O DIRETOR É UM

GESTOR DE
MUDANÇA ! Um Educador

IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA

COMPORTAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

CULTURA ORGANIZACIONAL

... e num processo de mudança, se a iniciativa pela renovação vier de baixo, é um motim!

Gestãode Mudanças

15%
Rejeição

35%

35%

15%
Adesão

Fonte: A Disciplina e a Arte da Gestão das Mudanças – Pedro Mandelli e Associados

Gestão de Mudanças

15%

70%

15%

Rejeição

Adesão

Gestão de Mudanças
O diretor da escola pode estar aqui !

15%
Rejeição

35%

35%

15%
Adesão

Fonte: A Disciplina e a Arte da Gestão das Mudanças – Pedro Mandelli eAssociados

Deficiências e/ou Limitações para a Aprendizagem Organizacional
- Eu sou meu cargo; - O inimigo está lá fora; - A fixação em eventos; - A parábola do “sapo escaldado”; - O mito da equipe administrativa.

Peter Senge

GATILHOS DA MUDANÇA
A
Participação no Mercado Margem

Colapso

B
Fonte: A Disciplina e a Arte da Gestão das Mudanças – Pedro Mandelli e Associados

ESTRATÉGICOIncorporar o diagnóstico organizacional como agenda normal e não como emergência!

ÁREAS DO MODELO
1.Orientação para os usuários –

comunidade
2.Liderança da direção 3.Gestão das competências profissionais docentes 4.Planejamento institucional 5.Gestão de processos 6.Gestão dos resultados

 Ênfase excessiva nos custos  Excessivo foco nos relacionamentos

UM DELICADO EQUILÍBRIODesmoralização

Resultado

PRESSÃO

Negligência

Complacência

APOIO

Barber, 2009

GESTOR EDUCACIONAL
“Cabe ao coordenador desenvolver a sensibilidade para com o outro, buscar, investigar a realidade em que se encontra, conhecer e respeitar a cultura do grupo, suas histórias, seus valores e crenças. (...) Por outro lado, ao PCP cabe também o desafiar, o provocar, o subsidiar, otrazer ideias e visões novas, questionar o estabelecido, desinstalar, estranhar as práticas incorporadas (para isto, exige-se sua capacitação: estudo, pesquisa, reflexão crítica sobre a prática). Esta postura se aproxima do conceito psicanalítico de paternagem: ser firme, porto seguro, mobilizar certa dose de agressividade, lutar por suas ideias, trazer a tradição, a norma, a cultura”.
CelsoVasconcelos
http://www.celsovasconcellos.com.br/index_arquivos/Page4256.htm

GESTOR EDUCACIONAL
“O coordenador, como todo educador, vive esta

eterna tensão entre a necessidade de dirigir, orientar, decidir, limitar, e a necessidade de abrir, possibilitar, deixar correr, ouvir, acatar, modificarse. Todavia, o dirigir, o orientar, mais do que o sentido restritivo, tem o objetivo de provocar,despertar para a caminhada, para a travessia, para abandonar o aconchego do já sabido, do já vivido”.
Celso Vasconcelos
http://www.celsovasconcellos.com.br/index_arquivos/Page4256.htm

O GESTOR deve entender que os professores sob a sua liderança são parceiros no desenvolvimento de um processo. Parceiros que podem ter voz ativa no planejamento desse processo, mas que não são maiores nem mais...
tracking img