Filosofia medieval

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4211 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A FILOSOFIA MEDIEVAL
O panorama histórico onde se desenvolveu o pensamento filosófico cristão, apresenta aspectos controvertidos. Seus limites cronológicos são imprecisos: alguns historiadores iniciam a Idade Média com o Edito de Milão, em 313; outros, com o batismo de Constantino, em 337; outros, ainda, com a queda do imperador Rômulo Augusto, destronado por Odoacro, rei dos hérulos, em 476,quando se instalou o domínio dos bárbaros sobre o império romano do ocidente.
O final da Idade Média é, geralmente, fixado com a queda do império romano do oriente, em 1453, quando os turcos tomaram Constantinopla.
A noção de Idade Média também gera controvérsias; alguns a entenderam como mero intervalo cronológico entre duas culturas (a antiguidade clássica e o renascimento); outros, como umconceito cultural.
Foi considerada como intervalo cronológico, principalmente pelos renascentistas e os iluministas do século XVIII (como Voltaire, Gibbon e outros); para eles, a Idade Média foi vazia de arte, ciência e filosofia: foi a idade das sombras e das trevas.
Como conceito cultural, ao contrário, a Idade Média apresenta um ideal de vida cultural, política e religiosa, que deixou marcasestáveis na arte, na organização social e política e na cultura. Lembremo-nos, por exemplo, da construção das catedrais românicas e góticas, da fundação das primeiras universidades como Paris e Oxford, do império de Carlos Magno, da Suma Teológica de Tomás de Aquino e da Divina Comédia de Dante e consideraremos impossível pensar a Idade Média como uma longa noite de mil anos que se estendeu entre oclassicismo e o renascimento.
Muitas formas de pensamento marcaram essa época. Ueberweg-Geyer aponta três características que parecem ter sido comuns às várias tendências da filosofia medieval e que contrastam com o pensamento antigo e moderno: 1) a estreita relação entre filosofia e religião, isto é, entre filosofia e teologia, que foi sintetizada na frase - philosophia ancilla theologiae (afilosofia é serva da filosofia); 2) a influência de Aristóteles em todos os campos (lógica, ética, filosofia natural e metafísica), como fator decisivo na formação do pensamento medieval; 3) a unidade de método (a questio e a disputatio), que é, ao mesmo tempo, método de exposição e de investigação.
Ehrle explica a unidade do pensamento medieval pela influência simultânea do cristianismo e doaristotelismo: a fé e a razão - Cristo e Aristóteles. Não resta a menor dúvida de que, tanto a revelação cristã como a razão aristotélica agiram em conjunto para a formação da visão do mundo do homem medieval.
O advento do Cristianismo originou novas concepções de vida, do homem e de Deus, que desafiaram o pensamento filosófico. Era necessário mostrar que seus problemas e respectivas soluções nãocontradiziam a razão, isto é, que a fé não se contrapunha à racionalidade, sem que com isso fosse preciso circunscrever a revelação divina aos limites da razão humana.
O pensamento clássico encontrara um desenvolvimento e amadurecimento tão grandes, que seria impossível ignorá-lo; no entanto, fazia-se necessária uma nova sistematização, elaborada a partir dos problemas já pensados pela filosofia pagã,conjugados com os agora propostos pelo Cristianismo. Assim, a filosofia cristã ocupou-se da assimilação das novas experiências no contexto da filosofia clássica.
O Cristianismo transporta o cerne da filosofia do cosmos para o homem - de cosmocêntrica ou geocêntrica, como na filosofia grega (principalmente a aristotélica),  passa a homocêntrica, descobrindo que o seu verdadeiro problema é o homem;assim, dois grandes temas irão nortear a filosofia medieval: o homem e Deus.
A filosofia cristã comportou dois grandes períodos: a filosofia dos Padres da Igreja, ou Patrística, que foi até o século V, e a filosofia dos Doutores da Igreja, ou Escolástica, que foi até o século XIV.      
Como o pensamento humano descobriu a existência de Deus? De acordo com Agostinho, nada há no homem e no...
tracking img