Filosofia do direito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4594 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO

Aristóteles(384-322ª.C.) foi um filósofo grego, discipulo de Platão. Seus escritos abrangem diversos assuntos, como a física, a metafísica, a poesia, o teatro, a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia e a zoologia.Juntamente com Platão e Sócrates (professor de Platão), Aristóteles é visto como uma das figuras mais importantes, e um dos fundadores, dafilosofia ocidental.

Marcus Tullius Cicero(106-43 a.C.), foi um filósofo, orador, escritor, advogado e político romano.Cícero é normalmente visto como sendo uma das mentes mais versáteis da Roma antiga. Foi ele quem apresentou aos Romanos as escolas da filosofia grega e criou um vocabulário filosófico em Latim, distinguindo-se como um linguista, tradutor, e filósofo. Um orador impressionante eum advogado de sucesso

Emanuel Kant(1724-184), foi um filósofo prussiano, geralmente considerado como o último grande filósofo dos princípios da era moderna, indiscutivelmente um dos pensadores mais influentes.Realizou numerosos trabalhos sobre ciência, física, matemática, etc.

O filósofo é o “amigo da sabedoria”, aquele que se encontra em sua busca, enxerga com distanciamento a visãocompleta do horizonte.

O homem é capaz de ação e pensamento. A ação drena o potencial reflexivo para sustentar suas carências e necessidades. Por isso a reflexão implica um distanciamento da atividade para observação e análise.

A atitude que pensa os fundamentos, os princípios e conseqüências mediante a razão é tipicamente filosófica. É grande aliada da ação pela investigação.E enquanto humanista reflete sobre o próprio homem. A filosofia representa um potencial de libertação do homem, abrindo espaço para outros horizontes Aristóteles pôs o conceito de felicidade como o ponto central de sua ética. O homem deve atingir a eudemonia (a felicidade: principal fundamento da vida moral). Aristóteles considerou a justiça uma virtude. Seremos justos agindo com justiça.Para Cícero, a “lei natural é a reta razão, conforme a natureza, gravada em todos os corações, imutável, eterna” que deve se aplicar a todos os povos em todas as épocas e que determina o objeto da justiça.

Kant é verdadeiro marco central na historia da ética: por um lado representa o ponto de chegada de um movimento que remonta ao fim da idade média, segundo a o qual a ética consiste numequilíbrio entre lei e liberdade.

ARISTÓTELES: Justiça como Virtude

O tema da justiça e da ética

Falar de justiça é comprometer-se com questões afins.

Para Aristóteles a justiça, definida como virtude, é o foco das atenções da ciência prática, intitulada ética. Cumpre investigar e definir o que é o justo e o injusto.

“… a investigação ética não se destina aespeculação (ciências teoréticas) ou a produção (ciências produtivas), mas à prática; o conhecimento ético, o conhecimento do justo e do injusto, do bom e do mau, é uma primeira premissa para que a ação converta-se em uma ação justa ou conforme a justiça, ou em uma ação boa ou conforme o que é melhor.”

A política compete traçar as normas suficientes e adequadas para orientar a atividade dapolis, e dos sujeitos que a compõe, para a realização palpável do Bem Comum.

Há clara imbricação entre ética e política na teoria aristotélica, uma vez que o bem do todo é coincidente com o bem das partes. É a observação do homem no convívio social que permite a formulação de juízos éticos.

Os princípios éticos não se aplicam a todos de forma única estando condicionados ao exame do casoparticular para que, a cada um, de maneira personalizada e singularizada, se aplique o justo meio (mesótes).

Justiça como virtude

A justiça é uma virtude e como tal um justo meio.

“Somente a educação ética, ou seja, a criação do hábito do comportamento ético, o que se faz com a prática à conduta do que é deliberado pela reta razão à esfera das ações humanas, pode construir o...
tracking img