Filosofia do direito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 24 (5792 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

CPTL- CAMPUS II

CURSO DE DIREITO

ACADÊMICO: WILTON DOUGLAS DE OLIVEIRA

RGA: 2012.0739.011-9

DICIPLINA: FILOSOFIA APLICADA AO DIREITO

PROF. BRUNO ROMANELLI






















FILOSOFIA DO DIREITO




























TRÊS LAGOAS-MSMARÇO DE 2013

FILOSOFIA DO DIREITO



CONCEITO E SIGNIFICADO

Etimologia da palavra filosofia. A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito entre os iguais. Sophia quer dizer sabedoria e dela vem a palavra sophos, sábio. Filosofia significa, portanto, amizade pela sabedoria, amor erespeito pelo saber. Filósofo: o que ama a sabedoria tem amizade pelo saber, deseja saber.
Assim, filosofia indica um estado de espírito, o da pessoa que ama, isto é, deseja o conhecimento, o estima, o procura e o respeita. Atribui-se ao filósofo grego Pitágoras de Samos (que viveu no século V antes de Cristo) a invenção da palavra filosofia. Pitágoras teria afirmado que a sabedoriaplena e completa pertence aos deuses, mas que os homens podem desejá-la ou amá-la, tornando-se filósofos.
Para Pitágoras o filósofo não é movido por interesses comerciais, não coloca o saber como propriedade sua, como uma coisa para ser comprada e vendida no mercado; também não é movido pelo desejo de competir; não faz das ideias e dos conhecimentos uma habilidade para vencer competidores ou“atletas intelectuais”; mas é movido pelo desejo de observar, contemplar, julgar e avaliar as coisas, as ações, a vida; em resumo, pelo desejo de saber.




A ESPECIFICIDADE DA FILOSOFIA






HISTORICIDADE

O Homem é um ser situado numa determinada época, num determinado lugar, num determinado contexto. Por isso, a Filosofia desenvolvida por ele está em estrita ligação com essemesmo espaço e contexto. A Filosofia não pode ser compreendida desligada do contexto a que está associada. Não nos basta conhecer um determinado sistema filosófico, precisamos conhecer o contexto em que ele foi criado, a sua história.





AUTONOMIA






Existe na Filosofia como projeto para cada um de nós, como proposta de procura de significações para a existência de cadaser humano. Existe na Filosofia enquanto saber que não depende de outros tipos de saberes, pois a sua liberdade está em ser uma constante racionalização do real, uma constante crítica, no entanto, a Filosofia não se assume como autossuficiente, porque não deixa de aceitar os contributos dos outros conhecimentos para uma melhor compreensão da realidade e da vida.





RADICALIDADE

AFilosofia nasce da própria exigência da razão humana, da necessidade que o Homem tem de procurar respostas para os seus problemas, daí um dos aspectos da radicalidade da Filosofia. A Filosofia não assenta em ideias feitas, em pressupostos anteriormente adquiridos, procurando a raiz última de todas as questões. À Filosofia não interessa apenas saber como, mas porquê, mais do que saber como aNatureza funciona, a questão que se coloca na ciência, à Filosofia interessa saber o porquê da realidade ser desta e não de outra forma, dar sentido ao real, interpretá-lo como um todo.


UNIVERSALIDADE

O seu objeto de estudo, a sua área de estudo é ilimitada, e portanto, comporta todo o real, podendo assim a Filosofia ser caracterizada como "A ciência universal ou do Ser" (S. Tomás deAquino). As questões que coloca ou os problemas que levanta dizem respeito a todos os homens e não apenas a problemas particulares - são problemas universais, referem-se à existência humana, às inquietações e esperança da humanidade em geral.
Cada sistema filosófico é construído de forma a que possa ser compreendido e aceite por todas as pessoas, enquanto seres racionais. Deste modo,...
tracking img