Fichamento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1794 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Nome: Danielle Araújo Lima Gordon MA1
Disciplina: filosofia




FICHAMENTO ÉTICA A NICÔMACO. LIVRO V.


❖ 1°: “No que toca á justiça e à injustiça devemos considerar: com que espécie de ações se relacionam elas”
❖ 2° “entende por justiça aquela disposição de caráter as pessoas propensas a fazer o que é justo, que as faz agir justamente edesejar o que é justo; e do mesmo modo, por injustiça se entende a disposição que as leva a agir injustamente a desejar o que é injusto”
❖ 3° “Ora, muitas vezes um estado é reconhecido pelo seu contrário, e não menos freqüentes os estados são reconhecidos pelos sujeitos que os manifestam”
❖ 4° “O justo é, portanto o respeitador da lei e o probo e o injusto é o homem sem e ímprobo”
❖5° “O homem injusto nem sempre escolhe o maior, mas também o menor no caso das coisas que são mais em absoluto.”
❖ 6° “o homem sem lei é injusto e o respeitador da lei é justo, evidentemente, todos os atos legítimos são em certo sentido, atos justos”
❖ 7° “Essa forma de justiça é, portanto uma virtude completa, porém não em absoluto e sim em relação ao nosso próximo.”
❖ 8°Portanto, a justiça neste sentido não é uma parte da virtude, mas a virtude inteira; nem é seu contrario, a justiça, uma parte do vício, mas o vício inteiro”
❖ 9° “Que tal coisa existe, é indicado pelo fato de que o homem que mostra em seus atos as outras formas de maldade age realmente mal, porém não gananciosamente”
❖ 10° “É evidente, pois que além da injustiça no sentido lato existe umainjustiça “particular”que participa do nome e da natureza da primeira”
❖ 11° “Está bem claro, pois, que existe mais de uma espécie de justiça e uma delas se distingue da virtude no pleno sentido da palavra”
❖ 12° “Portanto, devemos também falar da justiça e da injustiça particulares, e da mesma forma a respeito do justo e do injusto”
❖ 13° “Quanto á justiça, pois, que corresponde ávirtude total, e á correspondente á virtude em sua inteireza e a outra, o vício completo, ambos em relação ao nosso próximo, pode deixa-los de parte”
❖ 14° “Da justiça particular e do que é justo no sentido correspondente, uma espécie é a que se manifesta nas distribuições de honras, de dinheiro ou das outras coisas que das outras coisas que são divididas entre aqueles que têm parte naconstituição ( pois aí é possível receber um quinhão igual ou desigual ao de um outro) e outra espécie é aquela que desempenha um papel corretivo na transações individuais”
❖ 15 ° “Agora se torna claro que existem também um ponto intermediário entre as duas iniqüidades compreendidas em cada caso”
❖ 16 ° “ Ora, igualdade implica pelo menos duas coisas. O justo, por conseguinte, deve ser aomesmo tempo intermediário, igual e relativo”
❖ 17° “E a mesma igualdade se observará entre as pessoas e entre as coisas envolvidas;”
❖ 18° “O todo guarda a mesma relação para com o todo; esse acoplamento é efetuado pela distribuição e sendo combinados os termos da forma que indicamos efetuado justamente”
❖ 19° “Eis aí, pois, o que é justo: o proporcional; e o injusto é o que viola aproporção”
❖ 20° “ A outra é a corretiva que surge em relação com transações tanto voluntárias como involuntárias!
❖ 21° “Seja como for uma vez estimado o dano, um chamado de perda e outro, ganho”
❖ 22° “Por conseguinte, a justiça corretiva será o intermediário entre a perde e o ganho”
❖ 23° “O justo, pois, é um meio termo já que o juiz o é”
❖ 24° “Portanto, o maiorexcede o intermediário de um, e o intermediário excede de um aquele de que foi subtraída alguma coisa”
❖ 25° “ Estes nomes, perda e ganho, procedem das trocas voluntárias, pois ter mais do que aquilo que é nosso chama-se ganhar, e ter menos do que a nossa parte inicial chama-se perder”
❖ 26° “Logo, o justo é intermediário entre uma espécie de ganho e uma espécie de perda, á saber, os que...
tracking img