Fichamento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1311 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
1.0 Ordem, autoridade e submissão.
1.1 Muitos professores ao se incorporar em uma escola é advertido pelo diretor de que não importa tanto o que ensinem a seus alunos quanto que saibam mantê-los em ordem.
1.2 Vários professores não enxergam essa ordem como um problema, pois acreditam que aceitar a autoridade faz parte da transição á vida adulta sendo necessário não haver conflito em umaatividade eficaz em contexto adulto.
1.3 Há uma necessidade pedagógica para manter essa ordem para que não fuja do seu controle e sobre tudo preparam esses alunos para uma vida adulta onde terão que atravessar esse caminho.
1.4 A atividade diária de recordar a autoridade é uma forma de lembra que não são dependentes de decisões e não podem confiar em si e que precisa sempre da intervenção do outro.1.5 Não è certo pensar que as pautas da autoridade e disciplina presentes na escola é que devemos apenas escutar e realizar tarefas coletivas impostas pelos professores é a única forma de aprender.

2.0 Burocracia e impessoalidade.
2.1 A relação com os familiares é substituída na escola na relação com o professor, porém o aluno é considerado apenas parte de umgrupo. O que compromete a impessoalidade não é o número em si, mas a organização social determinada nas instituições.
2.2 Assim o trabalho do professor passa a ser de moldar os alunos a comportar-se correspondente ao grupo ou coletivo, podendo penalizar ou rejeitar a conduta dele que não adequar à proposta pedagógica que de fato possa afetar.
2.3 A especificidade significa que aceita ser tratadoassim, independente de todas suas outras circunstâncias ou características gerais. Quando o aluno diariamente se apresenta no mesmo horário mesmo sendo difícil para ele respeitar o que foi imposto ou então quando tem que ler algo que não prefere ou não quer.
2.4 A escola assim representa que esse aluno tem que está preparado para a vida adulta, pois terá vontades como trabalhador mais não poderáexercer e sim terá que obedecer as ordens de seu chefe.

3.0 A alienação com relação aos fins do trabalho.
3.1 A alienação com relação ao produto do trabalho tem um duplo sentido: em primeiro lugar, este produto pertence a uma pessoa alheia, ao capitalista que comprou sua força de trabalho, sua capacidade de produzir durante um tempo determinado, o trabalhador já nãodetermina qual será o produto de seu trabalho, mas este é decidido pelo capitalista o segundo, a determinação de seus fins e objetivos.
3.2 Assim como o trabalhador precisa decidir o que produzir, o aluno necessita da capacidade de escolher o que aprender, pois essa é a determinação dos fins por uma vontade alheia.
3.3 O trabalhador não encontra restrições e sim determinações assim não énecessário dizer o que ele não deve fazer, pois já sabe o que deve ser feito. Na escola como na produção capitalista a liberdade só começa quando termina o poder querendo dizer fora da instituição.

4.0 Alienação com relação ao processo de trabalho.
4.1 A criança e o jovem escolarizados são preparados para aceitar condições através de sua entrada na escola. O aluno precisa decapacidade de decisão sobre o processo de aprendizagem, pedagógica, métodos, e o professor tem a decisão de escolher se aprendizagem que fixará no aluno será baseada na memória ou ativa.
4.2 Na escola a organização dos horários calendários e etc. Não é levado em consideração à vontade do aluno e suas subjetividades mais aprecia somente o interesse da sociedade, cujo representante válido a esserespeito é a instituição escolar, e a vontade do professor.
4.3 No modo de produção capitalista, o trabalhador não vende o produto de seu trabalho, mas sua força de trabalho, seu tempo, trabalho abstrato, sua capacidade durante um tempo determinado, é assim também os estudantes que ao passar na porta da escola, coloca sua capacidade de trabalho á disposição da instituição.
4.4 Ha uma relação...
tracking img