Fichamento palestra marco aurelio sobre hidegger

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1193 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Julius Mack dos Santos Garcia
Bacharel. Dança. Segundo período.



O Professor Marco Aurélio Werle, professor de Filosofia da USP fala um pouco sobre um filósofo: Martin Heidegger

Filosofo que viveu grande parte do século XX. Nasceu em 1889 e morreu em 1976. Projetou se no mundo filosófico com sua obra principal “Ser e tempo”. Para entendê-lo é importante se situar no pensamentointelectual daquele momento. A atmosfera dessa época era uma crise da razão. Os discursos humanistas que alicerçavam a sociedade ocidental entraram em conflitos. Não é toa que surgiam filosofias como a do Nietzsche e Marx:
Nietzsche: foi um crítico radical da cultura ocidental, crítico da moral dos valores. Segundo ele os valores bem e mal impediram o homem ao acesso à existência e que arepressão do corpo foi conseqüência dessa cultura moralista ocidental.
Marx: O seu Materialismo vai se opor a toda forma de ideologia.
A cultura ocidental não consegue mais regular o mundo como até então ela sempre conseguia através da religião e dos valores. Nietzsche em Zaratustra coloca a questão que Deus morreu. Idéia de que a Religião cristã não dá mais conta como antes.
A ciênciaque cada vez mais ganha espaço como interprete das verdades dos homens, inclusive regulando- os em suas ações e pensamentos.
3 linhas de pensamentos do século XX:
- Marx: Desemboca na escola de Frankfurt, linha de pensamento que enfatiza a questão social, como uma questão fundamental para o homem e para o saber.
Questão das massas: surgem às grandes cidades, pobreza: conseqüência quando se temmuita gente. Reflexão sobre o capital. O homem é determinado pelas questões econômicas, inclusive nos dias atuais.
- Positivismo: vertente cientifica. Filosofia que pega o gancho da ciência e diz que é isso mesmo, o importante é que a ciência determina o mundo. ... Afinal de contas a ciência nos trouxe o avião, automóvel, nos trouxe esse bem estar. Então é um pensamento plausível. Não tem comonegar que esses avanços trouxeram vantagens aos homens. Explica- se o mundo da ciência. Um exemplo os EUA que tem origem positivista porém hoje em dia com menos intensidade.
- Hideigger: Filosofia da existência. Procura pensar o não o homem social, não a ciência, mas sim o homem entregue a si mesmo, dentro da sua individualidade, nos seus problemas psicológicos, conflitos existenciais. Tem relaçãocom a fenomenologia. A Escola Frankfurt falaria que o problema todo é a luta de classes, o fato que há pobres e ricos, esse sendo principal problema dos homens.













A Ciência vai dizer: ‘não... A questão fundamental é a ciência, se um dia a ciência chegar ‘lá’ tudo se resolverá, e o problema é, desenvolver isso. ’
Heidegger vai ser um sujeito um pouco estranho nessecontexto. O problema da nossa época (mas também de toda nossa cultura ocidental) é o do ser. Ele parte do fato que existe um esquecimento do ser. O que é ente? É uma coisa- base material. Ser: Permite que a coisa seja.
Heidegger diz: “A pedra é, a planta é, o rochedo é, Deus é, mas somente o homem existe”- as outras coisas somente são. O problema do ser é essencialmente humano. Ser é a questão do é. Oser transcende o ‘ente’. Por que não se pode dizer simplesmente COPO ao invés do copo é? João é (o que você quer dizer com isso?)Ponto de vista ôntico em termo de “ente”.
“João tem uma casa, um carro, uma família, tem emprego...” – está rodeado de ‘entes’.
Porém esses ‘entes’ não esgotam o ‘é’ de João. O problema do ser, transcende o “ente”. Ser não se define. É um equívoco achar que pesquisandoo “ente” irá encontrar o ser.
Ser não é um problema científico.

Como Heidegger vai desenvolver esse problema do ser?

Tem que partir do homem. O que é o homem? É preciso interrogar o homem na existência. Não é o da essência e sim da existência. ‘Existo, depois penso’ ao contrário do ‘ Penso , logo existo’ dito por Descartes. Antes de dizer algo... eu já existo. Não se precisa ser...
tracking img