Fichamento fonseca, maria guadalupe piragibe da. iniciação à pesquisa no direito: pelos caminhos do conhecimento e da invenção. rio de janeiro: elsevier, 2009. p. 1-17.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1214 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FONSECA, Maria Guadalupe Piragibe da. Iniciação à pesquisa no Direito: pelos caminhos do conhecimento e da invenção. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. p. 1-17.

“[...] a atividade acadêmica de pesquisa, [...], precisa se submeter a algumas condições preestabelecidas, [...], desde o ponto de partida da reflexão até as conclusões finais da investigação.” (p.1)
“Pesquisar significa investigar,procurar, com o objetivo de conhecer e/ou decidir. Sem pesquisa não se produz conhecimento novo, apenas se reproduz, repetitivamente, o conhecimento já existente.” (p.1)
“[...] a realidade construída pelo pesquisador é aquela tornada pertinente para o homem, enquanto ser desejante de dominar o seu entorno, para saber e para ter.” (p.2)
“[...] os problemas relevantes para a pesquisa acadêmica não sãoinventados, mas encontram-se intimamente vinculados as circunstâncias da vida humana.” (p.2)
“O trabalho teórico consiste em reduzir a padrões conceituais e a proposições afirmativas a multiplicidade de dados de realidade. [...]. A teoria é, pois, uma construção intelectual, válida até quse seja desmentida, ou substituída por outra explicação proposta por pesquisa mais recente.” (p.2-3)
“Nemtoda pesquisa desemboca necessariamente na construção de uma teoria, pelo contrário, a grande maioria das pesquisas confirmam, comentam, criticam teorias existentes, contribuindo para divulgá-las e/ou enriquecê-las.”(p.3)
“As afirmações teóricas são mesmo indispensáveis para a postulação da relevância do estudo que o pesquisador se propõe fazer.” (p.3)
“[...] não há qualquer teoria, [...], capazde oferecer uma explicação cabal dos fenômenos e processos sob a sua mira. Devem ser, [...], serenamente apreciadas como explicações parciais da realidade e consideradas válidas desde que se aceitem as premissas que lhes serviram de base.” (p.3-4)
“[...] quando se fala em regularidades dos processos sociais, estas pouco ou nada têm que ver com as regularidades registradas na natureza. Isso porqueo social está embebido da autodeterminação humana que comanda relações e processos, dando-lhes a dimensão da imprevisibilidade, fator com o qual a análise do social há de contar sempre.” (p.5)
“[...] a historicidade do objeto das ciências do social, significa que os fatos sociais, ocorrem na história e, por esse motivo, o seu movimento é contínuo, não se completa nunca.” (p.6)
“No âmbito dasciências sociais o ponto de referência da construção do objeto e da implementação de todas as fases da pesquisa é a vida social, lugar de onde o pesquisador observa e, ao mesmo tempo, lugar do objeto observado.” (p.6)
“No caso das ciências sociais são mais apropriadas as análises qualitativas do que as quantitativas.” (p.7)
“As realidades não quantificáveis são mais dificilmente analisadas, por issomesmo exigindo do pesquisador reflexão rigorosa e extrema atenção para perceber os sinais que apenas afloram dos fatos. Todavia, não é impossível tratar quantitativamente eventos qualitativos.” (p.7)
“[...] a pesquisa qualitativa se debruça sobre o sentido dos comportamentos humanos, que se encontram embebidos de valores, crenças, paixões e outros elementos que podem ser identificados comofatores de motivação das ações e reações humanas.” (p.8)
“As construções ideológicas são utilizadas como critérios justificadores de interesses, de pontos de vista, de preferências, de prioridades, de preconceitos comuns em determinados espações e momentos da vida social.” (p.8)
“O cientista social que pretender ser neutro diante do seu objeto de estudo já está optando por uma ideologia: a dapretensa neutralidade diante dos fatos sociais. O cientista lúcido sabe perfeitamente que não pode “driblar” a ideologia, mas sabe, [...], mantê-la sob controle, de sorte a não inviabilizar a objetividade necessária do seu trabalho.” (p.9)
“O primeiro estilo corresponde à pesquisa acima denominada jurídico-científica. Este estilo de investigação, [...], podem ser dirigidas – de acordo com as...
tracking img