Fichamento do livro a igreja no mundo medieval.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4345 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
No primeiro capítulo o autor aborda sobre as características da Idade Média, um tempo intermediário, um período de espera e procura delimitar seu início e fim. Para demarcar o início desse período o autor menciona o ano de 529, onde ocorreu a superação da filosofia pagã, com o fechamento da academia platônica de Atenas, pela filosofia, pelo pensamento cristão, com a fundação do primeiro mosteirobeneditino – Monte Cassino – por Bento de Núrsia. Por isso a Idade Média é também tempo de preservação do pensamento dos antigos, pois é nos conventos que o saber da Antigüidade vai sendo preservado, dando origem posteriormente à universidade, centro de estudo e pesquisa. A Idade Média foi um período de escola, de aprendizado do antigo – Escolástica. O final da Idade Média se deu quando deixou deser suficiente a repetição e apropriação do mundo antigo e se passou a analisar e buscar o novo. Neste período, a teologia continuou sendo formulada dentro da terminologia latina, iniciada por Tertuliano e continuada por Agostinho. Em boa parte, livre das influências germânicas.
No capítulo seguinte o autor fala sobre o cristianismo nos “Reinos Bárbaros”. O de mais curta duração foi o ReinoVândalo, no norte da África que desencadeou uma grande perseguição contra as correntes de fé cristã: católica e a donatista. Os vândalos foram proibidos de adotar a fé católica. Alguns séculos depois no continente africano o cristianismo viria a desaparecer, após a conquista árabe. O Reino Visigodo, na Espanha, manteve a fé ariana, atendo-se à Bíblia de Úfila ou Wúlfila, à liturgia, ao calendárioeclesiástico e à teologia ariana. Não interferiram no catolicismo aí vigente e, nesse período de domínio visigodo, é que os cristãos católicos passaram a introduzir em sua liturgia a fórmula “Glória seja ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo”. O Reino Franco, na Gália, foi o de maior importância para a vida da igreja no Ocidente. A igreja adquiriu poder econômico, porém, a fé do povo estava baseada noculto de relíquias. A pregação era realizada em latim, o que impedia que o povo tivesse participação real nos ensinamentos do evangelho. Temos, então, uma organização forte, importante para o Estado, mas com pouca penetração missionária. Inicia-se uma nova fase da história medieval, a Alta Idade Média. Nas Ilhas Britânicas, ainda durante o governo romano, ocorreu o início da catequese e missão naIrlanda por intermédio de Patrício, que batizou multidões de irlandeses. Também atuaram nessas Ilhas, missionários vindos de Roma, tendo sido Agostinho, seu primeiro bispo. Até 663 mantiveram-se as tradições de Patrício e Agostinho. Porém, neste mesmo ano, reunindo-se o Sínodo de Whitby, optou-se pela tradição romana.
No capítulo terceiro Martin Dreher narra sobre Bento de Núrsia e osbeneditinos. Bento nasceu na localidade italiana de Núrsia, hoje Nórcia, entre os anos de 480 e 490. Indo estudar em Roma, desistiu dos estudos por optar pela vida monacal, passando a morar em uma caverna parto da localidade de Subiaco. Tempos depois, abandonou a caverna e fundou uma colônia conventual, na qual a oração, o canto dos salmos e o trabalho perfaziam o centro da vida monástica. Movido pela invejado pároco da aldeia próxima, Bento dirigiu-se para Montecasino, lugar ermo onde havia um bosque sagrado e um templo de Júpiter, no qual os camponeses da região cultuavam o deus romano. Bento destruiu o bosque sagrado, o altar e a estátua. Ali, Bento e seus discípulos organizaram uma comunidade monástica. Deu a esta comunidade conventual uma Regra: prescrevia aos monges duas refeições diárias,constantes de dois pratos (de frutas e legumes) e vinho; sono reparador de seis a oito horas/dia; coberta e travesseiro para cada monge; permanecer por toda vida no mosteiro em que fez o voto, a não ser que o abade o envie para outro; obediência irrestrita ao abade – conceito de paternitas (o abade é o pai); submetidos ao trabalho, à pobreza e à oração. Os mosteiros beneditinos passaram a ser...
tracking img