Fichamento - argumento de autoridade x autoridade do argumento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1322 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO:

Neste livro Demo mostra a importância do conhecimento para a prática política. Saber pensar implica saber lidar com o conhecimento, implica também saber argumentar, defender-se contra a autoridade do argumento e não sobre o argumento de autoridade. O conhecimento é também atividade política, um passo para o exercício da cidadania. Conhecimento questionador quer dizer saber imporautoridade com o conhecimento de causa, proporcionando assim, o debate.

I. EPISTEMOLOGIA DA AUTORIDADE DO ARGUMENTO

Até o fim Idade Média predominou o argumento de autoridade. A religião podia controlar a conduta dos indivíduos, baseada no preceito de haver alguma força divina, tornava a realidade algo além da capacidade de explicação do homem. Com o advento do modernismo, sendo oevolucionismo de Darwin um dos pontos fundamentais, a história não precisava mais de alguma providência divina, mas sim de “antecedentes que determinam a consequência”. Necessitando, assim, a autoridade de maior argumentação para se fazer valer.

1. Argumento de autoridade

Demo escreve que “o argumento de autoridade não devia valer, mas acaba valendo”. A própria ciência é o grande exemplo, como anecessidade de citações em trabalhos científicos, em que a citação de algum autor consagrado tem mais mérito que o todo. O argumento de autoridade passa a valer também como ciência, pelo motivo que a ciência também é autoritária.
O ser humano é limitado, então todo o seu conhecimento também é. Existem saberes específicos e, como é impossível saber tudo de tudo, quem tem conhecimento técnicoespecifico, acaba sendo o portador da autoridade. Mas por ser argumento de autoridade, é possível que seja falso, e incontestável pela falta de argumentos contrários.
O problema estaria no momento onde se tem apenas a autoridade, sem o argumento. A ciência torna-se autoritária no momento em que derruba todas as outras autoridades, para se tornar a única autoridade. A sociedade aceita-a sem nenhumtipo de contestação, sem discussão, apenas como sendo paradigma universal.
Como traz Foucault: “o conhecimento está bem mais próximo do poder que a verdade”, o poder é inerente ao conhecimento. O ponto fundamental estaria em controlar o argumento de autoridade, não elimina-lo, para que ele não seja o único a prevalecer e a única referência.

2. Autoridade do argumento

O pós-modernismoconseguiu associar à ciência a autocrítica. A ciência autocritica tem o poder de “flexibilizar os paradigmas”. A ciência acabou sendo contraditória na era moderna, duvidando de crendices religiosas, sendo a única capaz de desvendar a realidade, e acabou por não deixar espaço para dúvidas, o próprio pesquisador “descobre” e não reconstrói a realidade.
Nenhuma teoria é capaz de explicar toda arealidade, porque a realidade é efêmera. A epistemologia cria suas verdades negando, ao contrário da face que confirma, assim acaba tendo maior imposição, tanto que a própria ciência tem mais força “na desconstrução do que na construção”.
O conhecimento é resultado não da afirmação ou constatação, mas sim do questionamento. O que não é questionado não é conhecimento, pode ser no máximo informação. Opositivismo tem seu ponto fraco na falta de autocrítica, pois acaba reduzindo o todo da realidade em apenas uma parte tangível. Para poder rever verdades positivistas da ciência o primeiro passo seria a negação, no sentido de questionar, interferir, moldar, reconstruir.
Na autoridade do argumento se tem o princípio de que a realidade se explica sozinha. Os procedimentos metodológicos buscamprecisão flexível, porque quanto mais forem precisos, mais distantes “estarão da realidade imprecisa”. O critério mais aceitável de cientificidade é a possibilidade de discussão dos argumentos. Os próprios argumentos tendem a ser frágeis e por isso merecem maior argumentação.
Nesse ponto entra a retórica, que quando bem usada, serve para potencializar o argumento, e não como forma de enganação. É...
tracking img