Festas religiosas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (721 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
328
PETER BURKE
A ESCRITA DA HISTÓRIA
329

Um segundo ataque à história dos acontecimentos ocorreu no início do século vinte. Na Grã-Bretanha, Lewis Namier e R.H. Tawney, que concordavam emalgo mais, sugeriram quase ao mesmo tempo que o historiador, em vez de narrar os acontecimentos, deveria analisar as estruturas. Na França, a rejeição do que era pejorativamente chamado de "históriados acontecimentos" (histoi-re événementieííe), em prol da história das estruturas, era uma prancha importante na plataforma da chamada "escola dos Anna-les", de Lucien Febvre a Fernand Braudel, que,da mesma forma que Millar, encaravam os acontecimentos como a superfície do oceano da história, significativos apenas por aquilo que podiam revelar das correntes mais profundas.3 Se a história popularpermanecesse fiel à tradição da narrativa, a história académica tornar-se-ia cada vez mais preocupada com os problemas e com as estruturas. O filósofo francês Paul Ricoeur certamente tem razão, quandofala do "eclipse" da narrativa histórica em nosso tempo.4

Ricoeur prossegue declarando que toda a história escrita, incluindo a chamada história "estrutural" associada a Braudel,necessariamente assume algum tipo de forma narrativa. De um modo similar, Jean-François Lyotard descreveu algumas interpretações da história, especialmente aquela dos marxistas, como "grandes narrativas".5 Oproblema de tais caracterizações, pelo menos para mim, é que elas diluem o conceito da narrativa, até que ela corra o risco de se tornar indistinguível da descrição e da análise.

Entretando, não voutratar desse assunto aqui, preferindo concentrar-me na questão mais concreta das diferenças, no que poderia ser chamado de o grau de narrativa, entre algumas obras contemporâneas de história e outras.De alguns anos para cá tem havido sinais de que a narrativa histórica, em um sentido bem

3. F. Braudel, The Mediterranean, 2 ed. rev., trad. S. Reynolds, Londres, 1972-3,
prefácio.
4. P....
tracking img