Ferreira da silva- vida e obra. resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2962 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de janeiro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Luís Ferreira da Silva, Vida e Obra

Nasceu no Porto, em 1928.
Iniciou a escola primária, todavia aos 9 anos, parte para Coimbra, para frequentar o Curso de Arte, na Escola Comercial e Industrial de Brotero, frequentou disciplinas como cerâmica, desenho, pintura, entre outras. Terminou o curso apenas com 15 anos.
O jovem Ferreira da Silva foi aluno de José Contente,desenhador, pintor, gravador, e de António Vitorino, aguarelista, natural de Caldas da Rainha, responsável pelo curso de pintura cerâmica.
Esta mudança de cidade deu-se em razão do trabalho do Pai. Este era litógrafo e desenhador gráfico.
É também em Coimbra que começa a trabalhar como pintor, na
“Coimbra Frutuoso”, localizada nas Lajes.
Aos 16 anos, vai para o Bombarral, até à“Cerâmica Bombarralense”.
Jorge de Almeida Monteiro, o director técnico apercebeu-se da sua vocação, pondo deste modo à sua disposição uma prensa de gravura.
Em 1953, fez a sua primeira mostra de gravuras, no Salão Colectivo - Exposição Geral de Artes Plásticas.
Monteiro recebia as visitas dos artistas Júlio Pomar e Alice Jorge, Vasco Pereira da
Conceição e MariaBarreira. O Luís Ferreira da Silva trocou conhecimentos com ambos.
O ambiente cultural de Almeida Monteiro era marcado pelo
Neo-realismo, Ferreira da Silva identifica-se com esta corrente estética e ideológica.
Júlio Pomar aprecia os seus trabalhos e leva alguns para os salões da Sociedade Nacional de Belas Artes.
No Bombarral permaneceu durante quatro anos, até concluir oserviço militar. Cumpriu ano e meio, em Coimbra.
Regressou depois ao Bombarral, mas por pouco tempo, pois a fábrica sofreu um incêndio.
Encontrou trabalho em Alcobaça, como pintor cerâmico, primeiro numa cerâmica da
Vestiaria, a “Vestal” e seguidamente na “Olaria de Alcobaça”.
Na “Olaria” trabalhava-se com pasta branca calcítica. Foi aí que Ferreira da Silva sentiu-setentado a romper com a produção corrente das fábricas de cerâmica e tentou as primeiras peças criativas.
Pinto Ribeiro, fundador e director da Secla, descobriu-o, convidando-o, em 1954, para chefiar a secção de pintura. A Secla, criada em 1947, era uma grande empresa, uma das maiores na faiança, na região, e nela se respirava uma atmosfera mais evoluída e exigente técnica e artisticamente,atraindo-o.
Na Secla, conheceu a artista húngara, Hansi Staell que desenhava modelos para a produção. A artista consolidara uma viragem cultural na empresa, que levara ao abandono do padrão tradicional da louça das Caldas em favor de novos conceitos de design.
Fora do rígido horário laboral, Ferreira da Silva, prosseguia a sua busca de um espaço mais pessoal e criativo. Beneficiouentão da experiência e camaradagem de Hernani Lopes, professor na Escola Comercial e Industrial caldense, um excelente pintor, discípulo de Abel Manta e que frequentara as aulas de Vasquez Dias em Madrid.
Reencontrou Júlio Pomar que veio até às Caldas fazer um mural para o Café Central e na ocasião frequentou o Studio da Secla realizar algumas peças cerâmicas.
Ainda neste ano o seu nomefora registado no Dicionário de Michael Tannock Portuguese 20th century (editora Chichester, Phillimores), Inglaterra.
Em 1955, criou o “Fauno e o Cavalo”, obra que o notabilizou, esteve ainda na Exposição “Modernos Gravadores Portugueses”, na galeria artes e Letras, em Lisboa.
No ano seguinte esteve ainda na Exposição de Gravura Contemporânea, na Galeria Pórtico, em Lisboa; no Salãode Gravura Portuguesa Contemporânea, no Estoril e Kunstnarsgruppen Gravura, Goteborgs, Konstmuseou, Suécia.
Em 1957, concorreu à Exposição de Artes Plásticas da Gulbenkian e foi seleccionado para a secção de gravura. Surgia assim pela primeira vez integrado no lote das principais figuras das artes portuguesas. Este estatuto entrava em choque com o seu lugar na fábrica, onde lhe...
tracking img