Fernando Collor de Mello

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4427 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de outubro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA
JOÃO GOMES DA SILVA FILHO
LETÍCIA CARDOSO DE CASTRO
MANUELA CASTRO BRAZ
MARCELO PARISI FREITAS
MOZART MEDEIROS DE LEON






AS CONTRIBUIÇÕES DA MÍDIA E DOS MOVIMENTOS POPULARES PARA A QUEDA DE FERNANDO COLLOR DE MELLO













Florianópolis
2013
JOÃO GOMES DA SILVA FILHO
LETÍCIA CARDOSO DE CASTRO
MANUELA CASTRO BRAZMARCELO PARISI FREITAS
MOZART MEDEIROS DE LEON






AS CONTRIBUIÇÕES DA MÍDIA E DOS MOVIMENTOS POPULARES PARA A QUEDA DE FERNANDO COLLOR DE MELLO





Relatório de Pesquisa apresentado à Unidade de Aprendizagem Ciência Política e Teoria Geral do Estado do curso de Direito da UNISUL.












Florianópolis
2013
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 4
2 fernando collor de melLo:ascensão e queda 6
3 A IMPRENSA E OS ESCÂNDALOS 9
4 OS CARAS-PINTADAS 12
5 CONCLUSÃO 14
REFERÊNCIAS 15




1 INTRODUÇÃO

No ano de 1989, a República Brasileira começaria uma nova era política. Neste ano se elegeu Fernando Collor de Mello pela primeira votação popular para a Presidência da Brasil após o regime da ditadura militar, sucedendo José Sarney e, nas palavras de GilbertoDimenstein (apud KRIEGER, NOVAES e FARIAS, 1992, p. 17) “tragicamente irônico é que ele foi eleito por uma onda de moralidade, apresentando-se como o antipolítico, o anticorrupção”.
Filho de Arnon Afonso de Farias Mello e Leda Collor, Fernando Collor de Mello é proveniente de uma família com grande tradição política. O avô materno, Lindolfo Collor, exerceu vários mandatos políticos e foi ministro doTrabalho no governo Getúlio Vargas. Seu pai, Arnon de Mello, foi senador da República e governador de Alagoas.
O Partido de Reconstrução Nacional, que levou o ex-presidente Collor ao poder, teve uma acirrada disputa política como o também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas Fernando Collor com o seu lema “caçador de marajás”, afirmou que combateria a inflação e a corrupção no seumandato e com isto foi eleito, no segundo turno, com cerca de 35 milhões de votos, mais da metade dos votantes.
Para Lattman-Weltnan (1994, p.7),
Tudo foi arquitetado nos mínimos detalhes, a começar pela própria escolha cuidadosa do nome do partido com que Collor concorreria às eleições. O “Partido da Renovação Nacional”, em substituição ao “Partido da Juventude”, deveria transmitir, ao mesmo tempo,a ideia de mudança, de renovação e da restauração de uma ordem de coisas, personalizada na figura de Collor.

Com a eleição de Collor, segundo Sallum e Casarões (2011), parecia enfim efetivada a demanda central das campanhas “Diretas Já” e do movimento pela democratização do país. Porém, a expectativa que girava em torno do jovem presidente transformou-se em uma grande revolta do povobrasileiro contra um governo marcado por escândalos e corrupção.
Trata o presente estudo da mencionada revolta do povo brasileiro contra Fernando Collor de Mello. O estudo teve por objetivo verificar o papel da sociedade para o Impeachment do Presidente e de que forma a grande mídia atuou em todo o processo de denúncias de corrupção. Buscou-se a origem do movimento dos caras-pintadas e qual a suaimportância para o desencadeamento do processo que resultou na renúncia daquele que, nas palavras de Luz (2004, p.45) utilizou-se de forte marketing político, “vendendo” uma imagem de renovação, mesmo que baseado nos tradicionais quadros políticos oligárquicos.
Para Weyland (1993, p.20 apud SALLUM JR e CASARÕES, 2011, p.191):
Contribuíram enormemente para a queda de Collor as “revelaçõesprejudiciais feitas pela mídia e o crescente ultraje popular que foi alimentado por elas. Começando em meados de agosto de 1992, multidões encheram as ruas de todo o Brasil para registrar o seu protesto contra as evidências de corrupção presidencial.

Tanto o comprometimento com os valores democráticos, continua o autor, quanto o ultraje com sua negação foram decisivos para o desprestígio de Collor,...
tracking img