Fato social –émile durkheim

FATO SOCIAL –Émile Durkheim

O estudo científico da sociedade sofreu indiscutível impacto, no século XX, ,com a contribuição de Durkheim. Ele formulou, com firmeza e convicção, uma assertiva quefortemente repercutiu nas interpretações sociológicas. Qualificou, com efeito, o fato social como uma “coisa”, e preconizou que, para estudá-lo, fossem aplicados os métodos e processos, isto é, osrecursos experimentais empregados nas ciências exatas. Para a explicação do fato social havia a necessidade, segundo ele, de investigação das causas sociais e não meramente históricas, psicológicas ebiológicas.
O pensador francês, em defesa do seu posto de vista, apresenta uma definição clara, compreensível e mesmo correta: “é fato social toda maneira de agir, fixa ou não, suscetível de exercer sobreo indivíduo uma coerção exterior, que é geral na extensão de uma sociedade dada, apresentando uma existência própria, independente das manifestações individuais que possa ter” (1966:12).
3.1.2Características do Fato Social
De sua definição podemos tirar as características específicas do fato social:
a. exterioridade, em relação às consciências individuais;
b. coercitividade, a coerção que ofato social exerce ou é suscetível de exercer sobre os indivíduos;
c. generalidade, em virtude de ser comum ao grupo ou à sociedade.
Exterioridade. O conceito de exterioridade dos fatos sociaisbaseia-se na concepção durkheimiana de consciência coletiva, por ele definida como o conjunto das maneiras de agir, de pensar e de sentir, comum à média dos membros de determinada sociedade e que compõe aherança própria dessa sociedade. Essa herança persiste no tempo, transmitindo-se de geração para geração. As maneiras de agir, de pensar e de sentir são exteriores às pessoas, porque as precedem,transcendem e a elas sobrevivem.
Exemplo: quando desempenhamos nosso papel de cidadãos, de filhos, de adeptos de determinada religião, ou de comerciantes, estamos praticando deveres definidos fora de...
tracking img