Excerto livro do desassossego

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (344 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Bernardo Soares, semi-heterónimo de Fernando Pessoa, na sua obra inacabada “Livro do Desassossego” discute inúmeros temas, um deles, o existencialismo abstracto, o simbólico e o real, ou o que lheparece ser mais real.
Escolhi para comentar um texto sem título da página 522 do dia 26-1-1932 que se inicia assim:
“Uma das minhas preocupações constantes é o compreender como é que outra genteexiste, como é que há almas que não sejam a minha, consciências estranhas à minha consciência, que, por ser consciência, me parece ser a única.” […] “Ninguém, suponho, admite verdadeiramente a existênciareal de outra pessoa. Pode conceder que essa pessoa seja viva, que sinta e que pense como ele; mas haverá sempre um elemento anónimo de diferença, uma desvantagem materializada.” Depois de reflectirsobre este excerto, de interiorizá-lo, dou comigo a concordar com Bernardo Soares. Nunca pensamos nas outras pessoas como seres que partilham as mesmas capacidades, talvez, julgo eu, seja por nãoconseguirmos ter acesso à consciência deles, pois como é que concluímos que somos iguais se não a ouvimos, se estamos fatalmente sozinhos dentro de nós próprios? Então, começamos a pensar que tambémpodemos imaginar os mesmos gestos humanos e as mesmas palavras genuínas nas personagens dos livros, nas personagens que os actores representam no teatro. Do mesmo modo, achamos que é possível haverpersonagens nos livros que nos parecem mais reais e mais íntimas do que os indivíduos que se encontram na rua, nos cafés ou no metro. Assim, como poderemos nós achar estes mais reais se não os conhecemos? Nãopassam de algum boneco robotizado cuja forma da consciência desconhecemos e duvidamos, pois apenas acreditamos no que conhecemos e, para quem é crente, no que cremos. Este facto explica porque existeo desprezo entre homem e homem, a indiferença sentida que permite certas acções contra o outro sem nos importarmos que, talvez, ele também sinta e tenha uma consciência.
“[…]quando ontem me...
tracking img