Eventos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4710 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
XII SIMPEP – Bauru, SP, Brasil, 7 a 9 de Novembro de 2005

Uma análise crítica da proposta das estratégias emergentes de Henry Mintzberg

Gabriela Góis Cavalcanti (UFPE/PROPAD) gabrielagoisc@yahoo.com.br Marcus Augusto Vasconcelos Araújo (UFPE/PROPAD) marcus-recife@uol.com.br Walter Fernando Araújo de Moraes (UFPE/PROPAD) wfam@br.inter.net

Resumo Um dos grandes debates teóricos naadministração estratégica se refere à forma como as estratégias são e a como devem ser formuladas. Alguns autores defendem que a formulação de estratégias deve ter um caráter fortemente deliberado, enquanto que outros defendem a importância da presença de uma característica não-deliberada. Este artigo apresenta as argumentações de um dos grupos de autores, analisando de forma crítica e especificamente, aproposta de Henry Mintzberg, que faz parte do grupo dos que argumentam em favor da abordagem não-deliberada e é o proponente do conceito de estratégias emergentes que se baseia em um processo de tentativa e erro, fundamentando seus argumentos em críticas ao processo racional de planejamento estratégico. São, ainda, apresentadas as contra-argumentações de diversos autores em relação às proposiçõese às críticas de Mintzberg. Por fim, conclui-se que existem vários riscos associados ao uso dos argumentos em favor do processo não-deliberado e que, apesar disso, é salutar o estímulo controlado da presença deste caráter no processo de formulação de estratégia nas empresas. Palavras-Chave: Formulação de estratégias; Estratégias emergentes; Estratégias deliberadas.

1 Introdução Desde a décadade 60, vários autores têm abordado o tema da Administração Estratégica dando a ele os mais diversos enfoques (CHILD, 1972; ANSOFF, 1973; MINTZBERG, 1973; MILES et al., 1978; QUINN, 1978; PORTER, 1991; CHANDLER, 1998). À luz das propostas destes autores, Mintzberg (1998) propôs uma organização das diversas argumentações, agrupando-as em 10 escolas considerando as diferentes abordagens ao processo deformulação de estratégias. Em relação às formas de abordagem na formulação de estratégias, Mintzberg (1998) destaca dois grandes grupos: as escolas de natureza prescritiva (como as estratégias devem ser formuladas) e as de natureza descritivas (como as estratégias são formuladas). Dentre as escolas descritivas, encontra-se a Escola do Aprendizado que argumenta em favor da formulação deestratégias por meio de uma abordagem emergente na sua essência (MINTZBERG, 1998). Esta escola, a qual o próprio Henry Mintzberg faz parte, destaca que o ambiente competitivo é demasiadamente complexo reduzindo a sua previsibilidade e dificultando o uso de estratégias deliberadas. A proposta dessa escola se concentra em propor a adoção das novas estratégias que emergem a partir de experiências que se mostrambem-

XII SIMPEP – Bauru, SP, Brasil, 7 a 9 de Novembro de 2005

sucedidas no passado, ou seja, é feita em um processo de tentativa e erro “à medida que a organização se adapta ou aprende” (MINTZBERG, 1998, p. 14). A escola da aprendizagem destaca as estratégias emergentes. Essas estratégias são descritas, em seu limite, como sendo uma consistência de ações em um determinado tempo sem apresença de intenções para que ocorram (MINTZBERG e WATERS, 1985). No seu lado oposto encontram-se as estratégias deliberadas, que são apresentadas como o resultado das “estratégias realizadas (padrões de ações) formadas exatamente como intencionadas” (MINTZBERG e WATERS, 1985, p.258). Percebe-se nos argumentos de Mintzberg e Waters (1985) a crítica ao processo racional de planejamento estratégico e aforte argumentação em favor da abordagem informal e nãodeliberada para a formulação de estratégias. É sugerido, por exemplo, que as estratégias devem mudar para o estrategista conforme mudam os pensamentos de um artífice e, desta forma, a cada visão, o direcionamento (informal) poderia ser alterado (MINTZBERG, 1987). Esta proposição é criticada por Idenburg (1993) que afirma não ser saudável...
tracking img