Eu quero ajudar as pessoas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (424 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Nome: Tatiane da Rosa Xavier
Psicologia Ciência e Profissão – Prof. Carolina Walger
Resumo Revista “Eu quero Ajudar as Pessoas – Escolha Vocacional da Psicologia”

Através de uma pesquisarealizada em universidades Gaúchas, relatada pela revista “Eu Quero Ajudar as Pessoas” muitos estudantes da área de psicologia foram entrevistados e puderam mostrar o porque escolheram o curso depsicologia.
Essa pesquisa informa que grande parte dos acadêmicos preferem a área de psicologia porque carregam consigo um principal lema como “eu quero ajudar as pessoas” e “quero conhecer o serhumano”. Porcentagens mostram que estudantes começam o curso com ideias formadas, “ajuda ao próximo” (40,5%), em segunda escala motivos voltados para a profissão e interesse pela área (31,4%) e (35,4%), epor ultimo se tem motivos voltados para si mesmo e conhecimento da especie humana (21,9%) e (29,4%).
Relata-se que quando crianças esses profissionais que escolheram a psicologia como exerção deprofissão foram responsabilizados precocemente. Considerando segundo as pesquisas uma parte desses profissionais que escolheram psicologia quando crianças foram treinados inconscientemente por seusfamiliares, tendo como os deixá-los atentos as necessidades psicológicas de outros, pois os profissionais da pesquisa informam que psicólogos, e outras áreas relacionadas só dariam continuidade aos seuspapeis. Já por outro lado os pesquisadores afirmam que, a crença de um grande percentual é que pessoas escolhem a psicologia como profissão por terem admiração, e por verem um psicologo como um modelona área da saúde mental.
Estudantes de psicologia (nem maioria e nem minoria, um percentual equilibrado e minimo) recebem influência de familiares para escolher a área de atuação, muitas vezes nãosendo agradável. Afinal cada pessoa precisa se identificar com a especifica área de atuação profissional, e nem sempre a influência dos familiares da muito certo, pois se não há vocação não se é...
tracking img