Etnocentrismo e a conquista do paraíso

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 27 (6518 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
SUMÁRIO

1 – INTRODUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04

2 – CONCEITO DE ETNOCENTRISMO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05

3 – “1492: A CONQUISTA DO PARAÍSO”. UMA ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08

4 – O PROCESSO DEFORMAÇÃO DO MUNDO COLONIAL. . . . . . . . . . . 11

5 – ETNOCENTRISMO E ATUALIDADE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

6 – CONSIDERAÇÕES FINAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

1 – INTRODUÇÃO

O presente trabalho pretende elucidarsobre o conceito de etnocentrismo e apresentar aspectos do processo de colonização da América do Norte, com ênfase na região que atualmente compõe o Brasil. Visa identificar a visão etnocêntrica dos conquistadores quanto aos aborígenes e a forma violenta com a cultura local – dos ameríndios – foi impactada e transformada.
Pensar sobre o conceito de cultura é complexo, haja vista que não há umacultura, mas muitas. Cultura, atualmente, não cabe ser entendida enquanto sinônimo de erudição, ou algo puramente “popular”. Neste trabalho, procura-se relacionar cultura, etnocentrismo e o processo de colonização da América. Não se detém, contudo, a apenas acontecimentos de um passado distante, mas busca contextualizar, trazer a discursão para o presente. Como critério de análise, utiliza-se umdos principais conceitos da Antropologia: etnocentrismo. O termo indica uma visão de mundo que considera meu grupo como padrão para o julgamento dos comportamentos dos outros. O que é diferente é rejeitado. É ridicularizado. Meu modo de vida é o correto. O dos outros está errado. Esta postura se origina de um processo de estranhamento, comum nos choques entre culturas diferentes. No entanto,torna-se preconceituosa quando julga um modo de vida superior a outro.
Serão discutidos conceitos, posturas, a colonização da América e uma possível superação desse etnocentrismo.

2 – CONCEITO DE ETNOCENTRISMO

A humanidade, há alguns séculos, vem desenvolvendo um conhecimento ou, dependendo do método, uma ciência sobre a diferença entre os homens e sociedades. Denominada Antropologia Social, esteconhecimento nasceu marcado pelo etnocentrismo, não diferente de quase todas as atitudes frente ao "outro". A Antropologia Social apresenta a proposta de superar o etnocentrismo, e estes antropólogos sociais, segundo Hoebel e Fronst (2001, p.10) “se especializam em relações sociais, como família e parentesco (...) em suma, naquilo que se chama estrutura social –“. Em contrapartida do saber do"senso comum", a proposta da Antropologia se pauta em observar na diferença a forma pela qual os homens propuseram soluções a diversas situações e a limites existenciais comuns. Tanto as pessoas, quanto as situações diversas carecem ser vistas e analisadas não de acordo com a cultura de quem olha, mas de acordo com a cultura de quem é observado. A partir de tal pressuposto, essa diferença comrelação ao outro não se equaciona com a ameaça, mas com alternativa. Contudo, a visão predominante no passado, e que ainda hoje pode ser notada, mesmo que não seja com tanto vigor, é a visão etnocêntrica, que é o julgamento realizado com base nos valores de uma única cultura, a cultura do observador. Nesse sentido, certa cultura é considerada melhor em detrimento de outra, uma é consideradainferior ao ser comparada com outra que é familiar ou considerada normal.
Segundo Rocha,

Etnocentrismo é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo e todos os outros são pensados e sentidos através dos nossos valores, nossos modelos, nossas definições do que é a existência. No plano intelectual, pode ser visto como a dificuldade de pensarmos a diferença; no plano...
tracking img