Estudo de caso

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1287 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Curso de Pós-Graduação “Lato Sensu” em Geriatria - CIAPE 2008 Profa. Adriana Keller Coelho adrianakeller@terra.com.br

Nutrição para Idosos

Sinais de Risco para Desnutrição: Determine. Disease Eating poorly Tooth loss Economic hardship Reduced social contact Multiple medicines Involuntary weight loss or gain Needs assistance in self care Elders above the age of 80 Risco de morrer no Brasilpor Desnutrição durante a velhice: • • 71% maior do que nos Estados Unidos da América do Norte 32,13% do que na Costa Rica Óbitos por desnutrição em idosos entre 1980 e 1997: 36.955 . 64,9% do total ) foram registrados na região sudeste.
OTERO e cols. Rev Saúde Pública. 2002; 36(2).

23.968 (

Desnutrição em Idosos no Brasil • IBRANUTRI (CORREIA et al., 1998; WAITZBERG et al., 2001), estudomulticêntrico, realizado em 25 hospitais distribuídos em 12 estados brasileiros e no Distrito Federal. Dos 4.000 pacientes hospitalizados envolvidos, 1.440 (36%) tinham 60 anos ou mais de idade. Mediante a

2 ANSG, 52,8% dos pacientes idosos foram associados à maior prevalência de desnutrição, comparados com aqueles eutróficos (44,7%) • Cordeiro & Moreira (2003), que avaliaram o estadonutricional de 23 mulheres idosas hospitalizadas na cidade de Curitiba – Paraná com o objetivo de analisar a eficácia e a praticidade do método de ANSG. Encontraram 65% de desnutrição no grupo estudado ao considerarem o IMC e 70% utilizando o método de ANSG. • Coelho et al. (2006), estudo transversal com 197 idosos em uma Unidade de Geriatria em Belo Horizonte. A prevalência de desnutrição foi de 54,7%segundo o IMC e ponto de corte do NSI e 29,7% segundo a WHO. A presença de hipoalbuminemia, linfopenia e hipocolesterolemia indicou a presença de desnutrição em 75,5%, 71,1% e 46,1% dos casos respectivamente. Possíveis causas das deficiências: Fatores econômicos Aspectos psicossociais Saúde bucal Uso de fármacos Doenças crônicas Desnutrição em Idosos no Mundo • Olmos et al. (2002), em estudotransversal, na Espanha, com 95 idosos admitidos em um hospital geral, com o objetivo de conhecer a prevalência, tipo e grau de desnutrição nesta população, utilizaram parâmetros antropométricos, bioquímicos e imunológicos e detectaram alta prevalência de DPC (78,9%) em diferentes graus • Mias et al. (2003) avaliaram 57 paciente idosos na Espanha e encontraram que 89% dos pacientes estudados estavamdesnutridos em diferentes graus



3 Asensio et al. (2004), em estudo prospectivo conduzido com idosos admitidos em hospital universitário, em Madri, em 105 pacientes com 70 anos ou mais de idade, encontraram uma prevalência de desnutrição de 57,1%



Martinez et al. (2004), na pesquisa transversal sobre prevalência e fatores associados à desnutrição em 105 idosos hospitalizados em Madri,usaram parâmetros antropométricos e bioquímicos e encontraram 51,7% de prevalência de desnutrição



Ramos & Valverde (2005), em estudo transversal com 200 pacientes idosos hospitalizados na Espanha, encontraram 50% de prevalência de desnutrição, utilizando como critério de diagnóstico do estado nutricional o MNA

Metodológicas: 1) Ausência de padronização: Métodos de avaliação nutricionalPontos de corte e referências Estratos etários para idosos 2) Estudos nacionais e populacionais são escassos Avaliação Clínica e Nutricional de Idosos Obstáculos e Objetivos Comportamento do Paciente • • • • Auto Percepção da Saúde Superestimam a saúde Subestimam as doenças Processo de envelhecimento ? Comportamento da Doenças • • Múltiplas patologias Múltiplas queixas (QP ?)

4 O Ambiente e aInteração Profissional – Paciente Relação de Confiança Durante o Exame : - Ambiente sem ruídos - Palavras claras - Distância e Posição Adequada: mímica facial; movimento dos lábios. - Volume da voz. - Iluminação adequada - Permanecer ao lado do paciente Estratégias para melhoria da relação Profissional-paciente: 1. Criar um ambiente favorável desde o início. 2. Tratar o paciente com respeito e...
tracking img