Estudo de caso - lucro cessante

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6030 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Quantificando as Fraudes Contábeis sob duas óticas: Jornais Econômicos versus Periódicos Acadêmicos no período de 2001- 2004
Fernando Dal-ri Murcia e José Alonso Borba Programa de Mestrado em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina - PPGC/ UFSC

Resumo
Os recentes escândalos contábeis envolvendo companhias como Enron, WorldCom, Parmalat e Bombril têm levantado questões sobre aconfiabilidade dos relatórios contábeis resultando na perda da utilidade dessas informações Para uma compreensão destas complexas questões que envolvem o gerenciamento e a manipulação das informações contábeis nas organizações, este estudo objetiva analisar o tema ‘fraudes’ no período de 2001-2004. Para isso, buscou-se quantificar os artigos relacionados com o tema fraudes contábeis sob duas óticasdistintas: uma visão acadêmica e uma visão não acadêmica. Primeiramente buscou-se analisar a repercussão das fraudes contábeis retratadas nos dois principais jornais econômicos brasileiros: Gazeta Mercantil e Valor Econômico. Na segunda parte deste estudo buscou-se quantificar os artigos acadêmicos (nacionais e internacionais) que tratavam do tema ‘fraudes’ nas principais revistas acadêmicas decontabilidade e auditoria. Foram selecionadas e analisadas 7 (sete) revistas nacionais e 21 (vinte e uma) revistas internacionais para a consecução deste objetivo. Esta pesquisa evidencia que o tema fraudes contábeis apesar de muito discutido no âmbito dos jornais econômicos e em revistas acadêmicas internacionais, ainda é pouco explorado e discutido no âmbito acadêmico nacional.

1. Introdução
Oscasos de corrupção, ‘mensalão’ e lavagens de dinheiro são notícias diárias nos meios de comunicação e fazem parte da vida de todos os brasileiros. Embora estas questões estejam sendo muito discutidas recentemente, o estudo das fraudes nas organizações é antigo. O livro O Código Da Vinci, por exemplo, que defende que Jesus Cristo era casado com Maria Madalena, uma prostituta segundo a Bíblia,levantando questões sobre uma possível fraude na igreja católica. (SILVA, 2004) Em 1939, James Sutherland criou o termo ‘crime do colarinho branco (whitecollar crime) com o objetivo de caracterizar os atos criminosos envolvendo organizações e indivíduos que agem em beneficio próprio. (WELLS, 2005) Desde então, este termo ganhou notoriedade, e hoje os crimes de colarinho branco podem ser caracterizadoscomo qualquer crime econômico ou financeiro. Muitas vezes, proprietários, gerentes e contadores utilizam seus conhecimentos sobre a normas e padrões contábeis com o objetivo de enviesar e manipular os relatórios contábeis em um processo conhecido como contabilidade criativa (creative accounting) Este processo de gerenciamento da informação á ser evidenciada reduz a qualidade dos relatórioscontábeis, tornando suas informações mais opacas em um processo também conhecido como ‘smoothing’. Mais especificamente nos escândalos da Enron, WorldCom e Parmalat comprovou-se a existência de fraudes contábeis. Segundo Albrecht (2003) as fraudes contábeis visam manipular os resultados da organização no intuito demonstrar uma situação enganosa podendo assim causar sérios problemas aos usuários externosdessa informação. Esses danos também geram perdas no âmbito financeiro a prejudicam a alocação dos recursos escassos na economia mundial. Nos Estados

Unidos, segundo Rezaee (2005) as fraudes contábeis causaram prejuízos de mais de $500 bilhões de dólares nos últimos anos. No âmbito acadêmico, inúmeros pesquisadores têm discutido temas relacionados a fraudes em seus estudos. Por exemplo, Farber(2005) analisou os mecanismos de governança de uma amostra de 87 empresas que haviam sido notificadas como empresas fraudulentas pela SEC (Securities Exchange Commission). Seus resultados evidenciaram que essas entidades possuíam mecanismos de governança considerados pobres quando comparadas com empresas nãofraudulentas. Gillet e Uddin (2005) analisaram as intenções de 139 diretores financeiros...
tracking img