Estudo comparativo sobre tratamentos para o uso de drogas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 50 (12252 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 5
1.1 O Tema e sua importância 5
1.2 Justificativa 8
1.3 Objetivos 9
1.3.1 Objetivo geral 9
1.3.2 Objetivos específicos 9
1.4 Metodologia 9

2 O CONSUMO DE DROGAS NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 11
2.1 A pós-modernidade e a sociedade 11
2.2 A Globalização e o uso de drogas 12
2.3 O Mal estar na modernidade 14

3 TOXICOLOGIA UMA ABORDAGEM CLÍNICA 18
3.1 Tipos detóxicos/drogas 18
3.1.1 Maconha 18
3.1.2 Cocaína 19
3.1.3 Crack 19
3.1.4 Anfetamina 20
3.1.5 Tóxicos voláteis 21
3.1.6 Ópio 21
3.1.7 Ecstasy 22
3.1.8 LSD 23
3.1.9 Heroína 24
3.2 Conceito e terminologia sobre tóxicos 24
3.2.1 No discurso médico 24
3.2.2 No dicionário Jurídico 25
3.3 Abordagem Clínica 28

4 ESTUDO COMPARATIVO 31
4.1 Instituição Centro Mineiro de Toxicomania 31
4.1.2Forma de tratamento 32
4.2 Instituição Família de Caná 34
4.1.1 Histórico 34
4.1.2 Forma de tratamento 35

CONSIDERAÇÕES FINAIS 38

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 41





1 INTRODUÇÃO


1.1 O Tema e sua importância

A sociedade atual vive rodeada de propagandas de marketing que tem como objetivo despertar o consumismo, adquirindo produtos e serviços para a satisfação das necessidadesvisando a realização pessoal. Ficamos encantados, com tantas possibilidades, que não há como resistir a elas.
Por outro lado, a sociedade também vive em um ambiente conturbador. A pressão do mercado de trabalho, a necessidade de buscar novos relacionamentos inter-pessoais, a violência e os conflitos individuais geram um mal estar generalizado onde há sempre aqueles que buscam fugir dosproblemas e da realidade em que vivem.
Assim sendo, é possível dizer que o fenômeno da toxicomania é um dos grandes problemas da sociedade contemporânea, da sociedade do consumo.
Segundo Uchoa (2002), o uso de drogas na atualidade tem sido tratado com questão de ordem internacional, objeto de mobilização organizada das nações em todo mundo. Seus efeitos negativos afetam a estabilidade das estruturas,ameaçam valores políticos, econômicos, humanos e culturais dos Estados e sociedades e infligem considerável prejuízo aos países, contribuindo para o crescimento de gastos com tratamentos médicos e internação hospitalar.
De acordo com um relatório divulgado pela Agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para drogas e crime revelou um índice de crescimento do consumo de cocaína e maconha nosúltimos anos, no Brasil, inclusive em 2006. O relatório apontou também para o crescimento do tráfico de cocaína na região sudeste. Em todo o mundo, segundo relatório cerca de 200 milhões de pessoas - ou 4,8% da população mundial entre 15 e 64 anos - usam drogas ilícitas. Aproximadamente 25 milhões de pessoas são dependentes químicos. Na América do Sul, o número cresceu de 2 milhões para 2,25milhões. Segundo a ONU o aumento do índice de uso de drogas no Brasil foi o principal fator para a elevação da taxa de consumo na América do Sul. Em Minas Gerais, cerca de 1 milhão de pessoas, o equivalente a 10% da população total do Estado, têm problemas com o uso de abusivo de álcool e drogas ilícitas.
Os gastos públicos do Sistema Único de Saúde (SUS), com tratamento de dependentes de álcool eoutras drogas em unidades extra-hospitalares, como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), somaram, entre 2002 e junho de 2006, R$ 36,9 milhões. Além disso, segundo levantamentos do Ministério da Saúde, outros R$ 4,3 milhões foram gastos em procedimentos hospitalares de internações relacionadas ao uso de álcool e outras drogas no mesmo período.
Tendo em vista que esse problema tem afetado umgrupo considerável de pessoas em nossa sociedade, torna-se relevante investigar os pressupostos teórico-práticos de instituições que trabalham na recuperação de dependentes químicos e alcoólatras.
Existem no Brasil instituições que se organizam como Comunidades Terapêuticas e instituições que oferecem atendimento ambulatorial e Hospital Dia vinculado ou não à internação para desintoxicação....
tracking img