Estudante

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1549 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
AGES
FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS
BACHARELADO EM DIREITO






Ana Paula Gonçalves dos Santos
















O CÍRCULO DE GIZ CAUCASIANO JUGAMENTO POR EQUIDADE






Trabalho Apresentado no curso de Bacharelado em Direito da Faculdade Ages como um dos pré-requisitos para obtenção da nota parcial da disciplina Hermenêutica Jurídica no 2º Período,sob a orientação do professor Gustavo Borges.














Paripiranga
Outubro de 2010
O CIRCULO DE GIZ CAUCASIANO JULGAMENTO POR EQUIDADE

Ana Paula Gonçalves dos Santos[1]

RESUMO

Trata-se da história do julgamento de quem ficaria com a guarda de Miguel, herdeiro de um reino invadido, cujo pai era governador e foi morto nessa revolta e a mãe, mais preocupada com sua vida e seus vestidos, oabandonara, ele é salvo por uma criada denominada Grucha Vaschnadze, que se sacrifica tanto pela criança a ponto de por em risco sua vida e felicidade, pois era noiva de um soldado. Entra em cena o juiz Azdak que é currupto porém justo e tende a sempre privilegiar os mais desfavorecidos, que nesse caso faz um julgamento inusitado quando percebe que o interesse maior da mãe da criança, a nobre NatelaAbaschvíli, é a herança, utiliza então a prova do círculo de giz, em que ambas as mães devem puxar o garoto ao mesmo tempo para fora de um círculo. Assim demonstra-se a utilização da Equidade nesse Julgamento.


PALAVRAS-CHAVE: Julgamento, Equidade, Mãe, Círculo de Giz, Herança, Afeto, Justiça.


1 INTRODUÇÃO

O Presente trabalho pretende fazer um estudo hermenêutico do julgamento queutiliza a prova do círculo de giz para verificar quem é a verdadeira mãe do menino Miguel. Esse julgamento se assemelha ao feito pelo Rei Salomão na história bíblica.


2 DESCRIÇÃO DO CASO


Natella Abaschvíli, mulher do falecido Governador, após voltar para a cidade, procura o Juiz Azdak tentando reaver o menino que foi levado por Grucha Vaschnadze para as montanhas. A mulher do governadoré a mãe biológica do menino, este por sua vez é então herdeiro do governador, tendo sido essa herança que pôs em risco sua vida, uma vez que era alvo da procura dos guardas que tentavam matá-lo. O advogado da mãe biológica funda-se nos laços de sangue, “o mais forte de todos os laços” e no fato de a mulher ter perdido o marido, para indicar o direito da mãe sobre a criança. Ela alega as noitesperdidas, os transes e tudo que compôs o seu suplício moral.
Grucha, mãe adotiva, criou o menino com muito amor e para isso colocou em risco a sua própria vida, primeiramente porque teve que vencer muitos obstáculos para poder chegar a salvo a casa de seu irmão que ficava nas montanhas, depois teve que casar-se com um senhor para poder escapar da discriminação da cunhada pelo fato de ter umfilho ainda solteira, o homem com quem ela casou estava enfermo e preste a morrer, porém era fingimento somente para não ir à guerra, com o fim da revolta o engano do esposo cessou e também o seu noivo retornou da guerra, mas ela já vivia em estado de matrimônio.
Ela apelou para o fato de ter criado o menino, sempre lhe dando o de comer e teto na maior parte do tempo, assumindodificuldades e despesas, não olhando para a própria tranqüilidade, habituando o menino a se comportar bem.
O segundo advogado da nobre senhora deixa transparecer que o seu maior interesse é a herança do falecido governador Abaschvíli, quando dispõe sobre a maneira que privaram a senhora dos seus bens e que estes estavam vinculados à pessoa do herdeiro.
O juiz demonstra entender o desejo pelaherança como algo normal.
Neste momento chega ao seu conhecimento a maneira fria com que a mãe abandonara a criança e o sacrifício de Grucha para lhe dar um teto.
A criada e o juiz se enfrentam num jogo de palavras e ela se indispõe de tal forma que é multada, questiona a justiça exercida por ele e sua honestidade.
O juiz questiona se ela não gostaria que seu filho fosse...
tracking img