Este mundo tenebroso

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 610 (152435 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Este Mundo Tenebroso

Frank E. Peretti

Título original: This Present Darkness
Editora Vida
2ª Impressão: Julho/1990
Digitalizado, revisado e formatado por SusanaCap
A Bárbara Jean,

esposa e amiga,

que me amou, e esperou.

***

Porque a nossa luta não é contra o

sangue e a carne, e, sim, contra os

principados e potestades, contra osdominadores deste mundo tenebroso,

contra as forças espirituais do mal, nas

regiões celestes.

Efésios 6:12

***

1

Quando os dois vultos trajando roupas de trabalho surgiram na Rodovia 27, na periferia de Ashton, uma cidadezinha cuja vida revolvia em torno da sua faculdade, a noite enluarada de domingo ia chegando ao fim. Eram altos, no mínimo acima de dois metros, de compleiçãorobusta, perfeitamente proporcionados. Um tinha cabelos escuros e possuía traços marcantes, o outro era loiro e poderoso. A pouco menos de um quilômetro de distância, olharam rumo à cidade, considerando a cacofonia de sons festivos vindos das lojas, das ruas e dos becos que ela abrigava. Puseram-se a caminhar.

Era a época do Festival de Verão de Ashton, o exercício anual em frivolidade e caosda cidade, a sua forma de dizer obrigada, volte outra vez, boa sorte, foi bom tê-los aqui, aos cerca de oitocentos alunos da Faculdade Whitmore que estariam entrando nas tão esperadas férias de verão. A maioria faria as malas e iria para casa, mas todos definitivamente ficariam pelo menos o tempo necessário para aproveitar as festividades, a discoteca, o parque de diversões, os filmes baratos, etudo o mais que desse para desfrutar, às claras ou às escuras, só por farra. Eram horas de loucuras, uma oportunidade de se embebedar, engravidar, apanhar, cair no conto do vigário e passar mal do estômago, tudo na mesma noite.

No centro da cidade, um proprietário com senso comunitário havia aberto um lote vazio e permitido que um grupo ambulante de migrantes empreendedores montassem seuparque com atrações, barracas e toaletes portáteis. A aparelhagem parecia melhor no escuro, uma escapadela em ferrugem feéricamente iluminada, movida a motores de trator de escapamento aberto que competiam com a oscilante música do parque guinchando ruidosamente de algum lugar no meio daquela barafunda. Mas nessa cálida noite de verão, a multidão que por ali perambulava comendo algodão doce estavaa fim de se divertir, divertir, divertir. Uma roda-gigante girava lentamente, hesitava a fim de receber passageiros, girava um pouco mais para o desembarque, depois dava algumas voltas completas a fim de fazer valer o preço do bilhete; um carrossel revolvia em um círculo espalhafatoso de luzes brilhantes, os cavalinhos descascados e caindo aos pedaços ainda saracoteavam ao som pré-gravado de órgãoa vapor; os freqüentadores do parque atiravam bolas a cestas, moedas a cinzeiros, dardos a bolões de gás, e dinheiro fora ao longo da instável passagem montada às pressas, onde os vendilhões repetiam a mesma arenga, tentando convencer os transeuntes a tentarem a sorte.

Os dois visitantes, altos e silenciosos em meio a tudo aquilo, perguntavam-se como uma cidade de doze mil pessoas —incluindo os alunos da faculdade — podia produzir tão grande e pululante multidão. A população, geralmente calma, havia comparecido em massa, incrementada por gente de outras paragens à procura de diversão, até que as ruas, bares, lojas, becos e estacionamentos ficassem lotados nessa ocasião em que tudo era permitido e o ilegal era ignorado. A polícia tinha as mãos cheias, mas cada prostituta,baderneiro, vândalo, bêbado algemados significava apenas que mais de uma dúzia ainda estava solta e perambulando pelas ruas. O festival, chegando ao auge na noite final, era como uma furiosa tempestade que não podia ser detida; podia-se apenas esperar que ela amainasse, e haveria muito o que limpar depois.

Os dois visitantes foram passando lentamente pelo parque apinhado, ouvindo as conversas,...
tracking img