Estado moderno

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1647 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O ESTADO MODERNO















Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
[pic]

Alunos: Adriano Canquerini Fraga
Diego Veneroso
Marcelo Thiesen

Cadeira: Introdução à Ciência Política HUM06409

Porto Alegre, 08 de abril de 2010.


A estruturaçãodo Estado moderno se deu juntamente com o surgimento da sociedade moderna, no começo do século XVII. Houve o rompimento gradual com a sociedade feudal, na sua forma de estruturação.

O Estado absolutista
O surgimento em sua primeira forma se deu com o Estado Absolutista, na ascensão de uma nova classe – a burguesia – enriquecida pelas atividades comerciais busca o poder político. Esse caminhoao poder se deu com alianças políticas com os monarcas, surgindo uma forma de centralização de todas as decisões políticas, causando muitas divergências com os territórios controlados pelos senhores feudais. Ainda, essa mudança causou fortes conflitos entre países na formação do mundo capitalista, entre elas: burguesia e aristocracia; católicos e protestantes; e camponeses e senhores.
OAbsolutismo teve em Thomas Hobbes seu maior representante, referindo ser o Estado soberano a realização máxima de uma sociedade civilizada e racional. Evitando, dessa forma que a ambição e a crueldade gerassem uma luta sem fim. O Estado um poder acima das individualidades, garante a segurança de todos. A acumulação de poder e a soberania dos estados devem ser permanentes evitando assim que instintosnaturais rompam o equilíbrio necessário ao desenvolvimento da consciência racional. No reinado de Luis XIV vivenciou a forma mais plena.
A importância da Igreja nesse cenário político é fundamental para reforçar o poder do Estado. Cuidando do lado espiritual a igreja reforça a necessidade dos súditos em prestar obediência. Esses princípios são encontrados na teoria do direito divino dos reis,elaborado pelo bispo Jaques Bénigne Bousset na obra: A política inspirada na Sagrada Escritura. O poder do monarca é divino, pois representa Deus na Terra, porém é um poder com limites respeitando os mandamentos de Deus.
A evolução do absolutismo se dá com a separação da pessoa do monarca e o poder político do estado. Desde Luís XIV, onde simbolizava o marco do absolutismo “O Estado sou eu”,começou a se estabelecer uma diferença entre o que era público e que era privado. Nessa fase o poder político se centralizou fortemente no interior de um domínio nacional, com exército permanente, corpo de funcionários para operar a estrutura administrativa e um órgão executivo sob o domínio do monarca. Os parlamentares, apesar de ser apenas um órgão consultivo do monarca orientavam as decisões de formaimportante no desenvolvimento do Estado. O controle estatal passou a intervir mais na vida das pessoas e isso gerou a necessidade de um aumento no quadro funcional. O controle fiscal, taxação de preços, a inspeção de produtos, entre outros, ocupavam grande parte da burguesia e nobreza afastando essas pessoas das províncias, pois o membro desse estado deveria ser um servidor público. Assim se da oracionalismo do funcionamento do poder político para melhor administrar, controlar e exercer o domínio na sociedade civil.
No controle sobre bens e pessoas desenvolveu-se o Judiciário, revalorizando o antigo direito romano, definindo o que é publico e o que é privado. Até mesmo o povo não pode mais ficar totalmente a parte do poder, pois passou a fazer parte da infantaria no exército e foiresponsável por várias revoltas que marcaram o mundo moderno, nessa acumulação primitiva de capitais.

O Estado liberal
À medida que a burguesia assumiu o governo instituiu o mercado livre e fez deste uma das características mais marcante da sociedade civil, com a intenção de expandir seus negócios. E para este desenvolvimento ocorresse também foi preciso tornar mais distinto a definição de...
tracking img