Espitemologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3115 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO - TEXTO 1:
EPISTEMOLOGIA: CONCEITOS , ANOTAÇÕES E COLETÂNEAS.

Prof. Fernando Antônio S. Pereira

1 FILOSOFIA:

Segundo Koogan / Houaiss, 1994, Filosofia é o “ Conjunto de concepções práticas ou teóricas, acerca do ser, dos seres, do homem e do seu papel no universo. Atitude reflexiva, crítica ou especulativa, de elaboração de tais concepções. Reflexãocrítica sobre os fundamentos do conhecimento (valores cognitivos), da lógica, da ética e da estética (valores normativos). Sistema de princípios que explicam ou sintetizam determinada ordem de conhecimentos: filosofia da história. [...].”

De acordo com Abbagnano, 2000, [...] A disparidade das Filosofias tem por reflexo, obviamente, a disparidade de significações de “Filosofia.”, o que não impedereconhecer nelas algumas constantes. Destas, a que mais se presta a relacionar e articular os diferentes significados desse termo é a definição contida no Eutidemo de Platão: Filosofia é o uso do saber em proveito do homem. Segundo esse conceito, é necessária, portanto, uma ciência em que coincidam fazer e saber utilizar o que é feito, e esta ciência é a Filosofia. (Eutid, 288-290 d.)

Segundo esseconceito, a Filosofia implica:

1º posse ou aquisição de um conhecimento que seja, ao mesmo tempo, o mais válido e o mais amplo possível:

2º uso desse conhecimento em benefício do homem.

Esses dois elementos recorrem freqüentemente nas definições em épocas diversas e sob diferentes pontos de vista. Por exemplo, na definição de Descartes, segundo a qual “filosofia é o estudoda sabedoria”, e por sabedoria, se entende um perfeito conhecimento de todas as coisas que o homem pode conhecer, tanto para a conduta de sua vida quanto para a conservação de sua saúde a invenção de todas as artes (Princ.pbil., Pref.).

Kant define o conhecimento, “como o de ciência da relação do conhecimento à finalidade essencial da razão humana” ( Critica Razão Pura).

A definição dada porDewey, como “crítica de valores”, no sentido de “crítica das crenças, das instituições, dos costumes, das políticas, no que se refere o seu alcance sobre os bens” ( Experience and Nature, p. 407).

Estas definições, citadas como exemplos, podem ser remetidas a fórmula de Platão , cuja vantagem é nada estabelecer sobre a natureza e os limites do saber acessível ao homem ou sobre os objetivospara os quais ele pode ser dirigido, podendo-se entender que seu uso deva orientar-se para a salvação ultra terrena ou terrena do homem, para a aquisição de bens espirituais ou materiais, ou para a realização de retificações ou mudanças no mundo. Portanto, essa fórmula revela-se igualmente apta a exprimir as diferentes tarefas que a filosofia. foi assumindo ao longo da sua história, exprimindoigualmente bem, tanto a tarefa das filosofias. positivas ou dogmáticas, quanto a das filosofias negativas ou cépticas. Na filosofia contemporânea, Wittgenstein afirma que o propósito da filosofia é levar ao desaparecimento dos problemas filosóficos, eliminar a própria filosofia. ou se “curar” dela (Philosophical Investigations, p. 133), assim, não está recorrendo a conceito diferente defilosofia.: libertar da Filosofia é a utilidade que o uso do saber pode proporcionar.

Os elementos encontrados na definição de Filosofia constituem as principais articulações dos significados desse termo, sendo possível distinguir os significados:

1º com relação à natureza e a validade do conhecimento,

2º com relação à natureza do alvo para qual a Filosofia pretende dirigir o usodesse saber e

3º com relação ao procedimento que se considera próprio da filosofia.

1. A filosofia e o saber – O uso do saber ao qual o homem tem acesso de algum modo é em primeiro lugar, um juízo sobre a origem e a validade desse saber.




2. A filosofia e o uso do saber – Ao longo da história tem sido dadas duas interpretações sobre o uso do saber pelo ser humano....
tracking img