Espelho da mente

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3835 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Espelho da Mente

Sentada na sala de estar de sua casa, o carpete azul marinho cobrindo o enorme salão, as tapeçarias antigas ornando a parede de um papel florido vibrante, o único ruído capaz de ser ouvido eram os cristais do lustre oscilando, em função da pequena corrente gerada pela janela aberta. Ao seu lado uma pequena mesinha de centro, uma xícara de café e a carteira aberta pronta paraoferecer-lhe um cigarro. Os cabelos de um vermelho acetinado caiam por sobre os ombros pálidos e delicados da jovem e por um breve momento, os olhos âmbar agora perdidos na imensidão azul do carpete, foram tomados por dúvida e desconsolo. Catherine perguntava-se no íntimo, no que é que se tornara sua vida nos últimos anos, como havia saído da vida desregrada de baladas, pubs e álcool para tornar-sea ilustríssima Sra. Grant, dona das melhores festas, constantemente fotografada com os maiores nomes do alto escalão, junto de seu bem sucedido marido John.
John era trinta anos mais velho que Catherine e nos últimos anos fizera dela uma verdadeira dama. Ele sabia que não pertencia fielmente ao seu coração, mas diante de sua atual situação enferma ela demonstrara grande compaixão e carinhopara com ele, não o deixando sozinho ou ao desalento por uma vez sequer, e ele era grato por isso.
John acabara de perder a esposa em um acidente quando se conheceram e sabia que não podia viver sozinho por muito mais tempo. Catherine ainda era muito jovem, mal havia acabado a universidade, estagiava na renomada Editora Grant. A garota tinha uma sensualidade nata, mesmo não fazendo menção depossuí-la, era dona de um corpo escultural e o olhar profundo de quem sabia o bastante sobra a vida. Todos os seus ornamentos em para com a competência e a dedicação de Catherine ao trabalho, despertaram a atenção de John, o mesmo John que a deixou sem chão quando na madrugada do último domingo, falecera.
Catherine se via desamparada. Vivera os últimos anos dedicando-se exclusivamente a casa eao marido, que agora se fora. Levantou-se lentamente, esfregando os braços nus com a palma das mãos numa tentativa de se aquecer e, no momento em que caminhava em direção à janela aberta, uma lágrima vacilou de seus olhos [...] Estava perdida em reminiscências de um passado que até então estava trancado, e agora, a vida havia trazido a chave em suas mãos outra vez [...]. A dor oprimia seu peito,não a dor recente da morte do marido, dessa dor ela já havia se recuperado, porém a dor de anos guardada no peito frágil e que agora sucumbia sua mente.
Ela olhava para o horizonte, sem ver. E ficou por um breve momento assim, indelével, cética ao que ocorria ao seu redor. As mãos delicadas pousaram-se sobre o seio, ocupando-se de seu coração, preocupadas, com um medo profundo de que elenão suportasse a dor que sentia. Há muito a vida lá fora não mais fazia sentido, seus pensamentos constantemente voltavam-se ao vazio, seus olhos tornaram-se uma corrente constante de lágrimas.

* * *
Cruzando o Oceano, mais precisamente em Oxford, na Inglaterra, estava Harry, os pensamentos quase nulos, o vazio tomando o subconsciente. A vida, afinal lhe escapava. Em suma tinha amores de sobra,seu cão Frank, sua tia Anne [...] A maior dúvida de todas não lhe cessava os olhos que, agoniantes daquela calada escuridão, clamavam tristes: “É isto?”, perguntava de maneira retórica, “O que fizeram da minha vida?”.
Como se fossem partir para outro plano, as memórias de anos vividos por Harry tomaram sua mente num turbilhão de imagens, sons e gestos táteis, a sinestesia cortejando seussentidos em recortes de fotos antigas que ganhavam vida e mudavam de rumo quando tocadas. A música que tamborilava ao fundo daquela realidade surreal era de Morrison, seu companheiro na adolescência e, sentada num banco que se materializou a sua frente, estava Catherine encarando-o com olhos profundos e infantis, o cabelo ruivo preso num coque frouxo, as mãos estéreis a folhear o romance que ele, o...
tracking img