Espe

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 61 (15133 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PREFÁCIO

Escopo
Este curso visa habilitar aquaviários de acordo com a Resolução 19 da Conferência
Internacional sobre a Formação de Marítimos e Expedição de Certificados, 1978.

Objetivo
Capacitar todas as pessoas que participarem do treinamento completo a reagir de
maneira correta durante as situações de emergência, tomando medidas apropriadas para
a sua própria sobrevivência e asobrevivência das outras pessoas e a usar corretamente
os equipamentos de sobrevivência. Também, em alguns casos, capacitá-las a identificar e
corrigir falhas, colaborando para evitar situações de emergência.

-3-

1. Introdução a Segurança e Sobrevivência
1.1 A Origem de Determinadas Regras
A maioria das regras advém da investigação de acidentes para que, conhecendose as causas, possam seraplicadas medidas preventivas à sua repetição.
Titanic
Afundou às 02:18h de 15 de abril de 1912. Das 2.224 pessoas a bordo, apenas 706
conseguiram sobreviver. Calcula-se que 800 dos mortos foram devorados por tubarões.
Deu origem à Convenção SOLAS.

Titanic

Herald of Free Enterprise
O trágico acidente com o Herald of Free Enterprise provou ao mundo que a falha
de gerenciamento, reportadopelo relatório da comissão do acidente, foi simplesmente a
causa que mais contribuiu para a cadeia de eventos que levou ao acidente.
Deu origem à Resolução da IMO A.647(16), adotada em 19 de outubro de 1989,
Guia de Gerenciamento para Operação Segura de Navios e para a Prevenção de
Poluição.

Herald of Free Enterprise
-4-

Scandinavian Star
Incendiou em 1990 fazendo 158 vítimas.
Deuorigem à Resolução da IMO A.741(18), adotada em 04 de novembro de 1993 Código de Gerenciamento Internacional para a Operação Segura de Navios e para a
Prevenção da Poluição - ISM Code. Em maio de 1994, o ISM Code tornou-se mandatório.
Capítulo IX da Convenção SOLAS.

Incêndio do Scandinavian Star

Estonia
Em 28 de setembro de 1994, ocorreu aquele que foi chamado “o pior desastre
marítimo naEuropa em tempos de paz”. O ferry-boat Estonia, que fazia o trajeto entre a
Estônia e a Suécia, afundou no mar gelado, matando 1.049 passageiros.
Um barco grande, moderno, poderoso e bem-equipado afundou numa tempestade
apenas moderada. A temperatura da água, que era de 11 graus, e as ondas dizimaram as
cerca de 200 pessoas que escaparam do navio. Apenas 141 foram recolhidas na manhã
dequarta-feira nas operações de resgate. Várias pessoas morreram de hipotermia a
caminho dos hospitais. O Estonia havia sido inspecionado ainda em agosto por uma das
cinco maiores firmas do mundo especializadas em segurança da navegação, recebendo
um certificado altamente positivo, cerca de 95%, autorizando-o a operar naquela área do
Báltico.
Gerou novas tecnologias e requisitos de estabilidade.Estônia
-5-

Torrey Canyon
O Torrey Canyon, em 1967, encalhou enquanto demandava o Canal da Mancha e
derramou cerca de 120 mil toneladas de óleo cru no mar, causando grave poluição nas
costas do sudoeste da Inglaterra e do norte da França.
Deu origem à MARPOL, adotada em 1973, e ao STCW.
Com a adoção, em 1978, de um protocolo introduzindo diversas alterações ao texto
original, a citadaconvenção ficou conhecida como MARPOL 73/78.
Erika
Afundou na costa da França em dezembro de 1999
As investigações do acidente com o Erika, realizadas pelo governo francês e pela
autoridade marítima maltesa, concluíram que a idade, a manutenção insuficiente e
inadequadas vistorias foram os principais fatores que contribuíram para a falência
estrutural do navio.
Foi de largo consenso que oErika e outros recentes acidentes envolvendo
petroleiros apontam para a necessidade de medidas internacionais adicionais para
erradicar navios substandard, principalmente petroleiros que, em caso de acidente,
podem causar catastrófico impacto ambiental.
O afundamento do Erika acelerou o programa relativo a navios-tanque de casco
simples.

Afundamento do Erika

-6-

Exxon Valdez
O...
tracking img