Escola

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1760 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de maio de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO POLITECNICO
MONSENHOR QUEIROZ








A Precariedade da Saúde Pública

















Pelotas – RS
2012
ANA CAROLINA, HOSANA, BRUNA NOLASCO, LUCIÉLE E WILLIAM RUTZ








A Precariedade da saúde pública


Anteprojeto de Pesquisa apresentado por Ana Carolina, Luciéle, Hosana, Bruna e William, como requisito parcial naavaliação da disciplina de Seminário.


Orientador (a): Luciana Fortuna










Pelotas - RS
2012


















Banca examinadora:
.................................................................................................
..................................................................................................................................................................................................
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO 5
2. DESENVOLVIMENTO 6
2.1 METODOLOGIA 7
2.2 DADOS COLETADOS 8

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS 10

REFERECIAS BIBLIOGRÁFICAS 11

APÊNDICES 12
















1. INTRODUÇÃO

Como já sabemos a precariedade da saúde pública está explícita no nosso dia a dia, pois nossos hospitais hojenão são capazes de atender toda a demanda da cidade, convivendo com equipamentos sucateados ou inexistentes, escassez de medicamentos, falta de profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, técnicos, atendentes, etc.); todos estes problemas causam atrasos para a população que necessitaria de um rápido atendimento e que na maioria das vezes não se concretiza, pois chegam a ficar até mais de umahora esperando sentados nos corredores em cadeiras e macas em condições precárias.
Médicos são injustamente responsabilizados pela má condição de atendimento, e estes são obrigados a acumular uma carga horária exaustiva e que ainda comportam vários empregos para poderem viver dignamente e recompensar os investimentos na sua formação. Mas se os médicos fossem remunerados pela responsabilidade deseu trabalho não necessitariam ter uma carga horária tão grande e a qualidade de seu atendimento para o público carente não estaria como se encontra.
Se o governo tivesse dignidade com o povo que é obrigado a votar, pois com o voto o povo ainda tem esperança que o Brasil possa mudar a característica de país de terceiro mundo em relação a saúde pública e que os altos impostos que são pagos pelo povocontribuinte, seriam destinados para o ajuste do sistema de saúde pública; mas as autoridades competentes alegam constantemente que não há recursos, mas sabe-se que é mesmo falta de interesse, pois verbas altíssimas são repassadas para os estados (como forma de se fazer alianças para aprovação de projetos do governo federal e que acaba contribuindo para o desvio dessas verbas para benefíciospróprios), dizendo-se que são para projetos sociais de governo para beneficiar a população. Só não existe recurso para atender às necessidades da população pobre. Para a corrupção, tem-se de sobra.
O tema a precariedade da saúde pública foi escolhido para tentar mostrar quais são os reais problemas que enfrentamos em nosso dia a dia com a saúde pública e para que no futuro talvez encontrássemossoluções para resolver este problema que cresce a cada dia em todo o nosso país, e tentar mostrar as pessoas os reais motivos de tanta insatisfação com a saúde pública.
2. Desenvolvimento (Referencial Teórico)

A precariedade da saúde pública como já se sabe é um dos mais graves problemas em nosso país, conforme a publicação do site papointeligente, os principais problemas da saúde pública são:
“O caos no atendimento da população de baixa renda, com equipamentos sucateados ou inexistentes, escassez de medicamentos, falta de profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, técnicos, atendentes... Etc.)(sic.) itens que fazem parte da realidade dos hospitais brasileiros.” (PACHECO, 2011)
Mas com tantos problemas a estrutura do...
tracking img