Escola de fronteiras - resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1041 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA DE FRONTEIRAS


O programa Escolas Bilíngues de Fronteira (PEBF), surgiu a fim de facilitar o estreitamento do ensino em regiões fronteiriças onde se fala o português e o espanhol, nesse caso, Brasil e Argentina. Em 2004, a reunião entre equipes dos dois ministérios de educação, brasileiro e argentino, em Buenos Aires, lembrando de outro plano militar chamado “Marchemos hacia lasFronteras”, que formulava uma parceria com a Policia federal do Brasil., marca uma mudança nas relações entre esses países.

Antes disso, em 1991, é firmado pelos países membros do MERCOSUL, o chamado Tratado de Assunção, que define o espanhol e o português como idiomas oficiais. Dessa forma, surge a necessidade da difusão do aprendizado dessas línguas por meio dos sistemas formais e informais deeducação, considerando a questão da identidade como algo fundamental.

Em 2003, com o objetivo de fortalecer essa relação entre os dois países, de maneira a ensinar o português na Argentina, e o espanhol, no Brasil, firma-se a “Declaração Conjunta de Brasília”. A partir daí, equipes técnicas argentinas começam a pesquisar a respeito do ensino bilíngüe, assim como temas de fronteira, que levaram aum documento que pudesse facilitar os objetivos dessa declaração.

Esta pesquisa resultou na necessidade de levantar dados a respeito da realidade sociolingüística dos professores e alunos que viviam em zona fronteiriça, que pudessem apontar: a) o grau de conhecimento do espanhol padrão dos docentes das escolas da fronteira de Corrientes e Misiones; b) o grau de conhecimento de português dedocentes e alunos e c) as representações sobre estas línguas e outras, como o guarani. Assim, em maio de 2004 surgiu a primeira versão do “Projeto-piloto de Educação Bilíngue. Escolas de Fronteira Bilíngues Português-Espanhol”.

Em junho desse mesmo ano, foi assinada, em Buenos Aires, uma nova Declaração Conjunta, denominada “Modelo de ensino comum em escolas de zona de fronteira, a partir dodesenvolvimento de um programa para a educação intercultural, com ênfase no ensino do português e do espanhol”, que incluía um Plano de Trabalho. Esse documento previa o desenvolvimento de um modelo de ensino comum em escolas de zona de fronteira. Depois disso, a Secretaria de Educação básica do Ministério da Educação do Brasil, buscou a adesão desse sistema em escolas localizadas na regiãofronteiriça. Essas escolas, fizeram projetos, e após a visita do MEC, foram definidas duas escolas, que fazem fronteira com a Argentina, localizadas na região sul do Brasil.

Em 2005, o programa envolveu quatro escolas: duas da Argentina e duas do Brasil. Em 2006, para mais quatro em cada país. Entre 2004 e 2006, nessas escolas, foram coletados dados na forma de questionários a fim de verificar aproficiência dos alunos em português e espanhol. Para o desenvolvimento do programa, definiu-se o sistema de “cidades-gêmeas internacionais”, ou seja, cidades que contam com uma parceria em outro país.

Na fronteira entre o Brasil e a Argentina, onde estão presentes diversas línguas, entre elas, o português e o espanhol, há, como em toda zona de fronteira, alternância no uso de ambos os códigoslingüísticos, além do chamado “empréstimo”, em que se faz a mescla desses idiomas e culturas. Essas duas línguas são faladas por mais de 540 milhões de pessoas em cinco continentes, sendo o espanhol mais prestigiado mundialmente do que o português. Entretanto, na fronteira Brasil-Argentina, pesquisas mostram que o último tem uma presença determinante, resultado da assimetria de prestígio a favor dessalíngua, que está associada à presença da mídia televisiva e oferta de trabalho nas cidades brasileiras de fronteira, que traz cada vez mais argentinos ao Brasil.

Em relação ao projeto propriamente dito, foi verificado que, do ponto de vista do repertório lingüístico, havia dois públicos distintos: as crianças argentinas já são, em algum nível, bilíngües, pois entendem razoavelmente bem a língua...
tracking img