Eritroblastose fetal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1059 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Curso Técnico em Patologia

Alunas: Viviane da Fonseca Santos

Lucilene dos Santos Campos









































































ÍNDICE

• Introdução

• Agente RH

• Eritroblastose Fetal
( O que é;
( Tratamento( Prevenção
( Sintomas
( Como diagnosticar a doença?
( Quadro Clínico

• Conclusão

• Bibliografia






































INTRODUÇÃO

A Eritroblastose fetal é provocada pelo fator RH. Também conhecida como doença hemolítica do recém-nascido, caracterizada pela destruição das hemáciasdo feto ou do recém-nascido. As conseqüências dessa doença são graves, podendo levar a criança à morte. Durante a gestação ocorre passagem, através da placenta, apenas plasma da mãe para o filho e vice-versa devido à chamada barreira hemato-placentária. Pode-se ocorrer, entretanto acidentes vasculares na placenta o que permite a passagem de hemácias do feto para a circulação materna. Nos casos emque o feto possui sangue fator RH positivo, os antígenos existentes em suas hemácias, estimularão o sistema imune materno a produzir anticorpos anti-RH que ficarão no plasma materno e podem, por serem da classe IgG passar pela BHP provocando lise nas emacias fetais. A produção de anticorpos obedece a uma cascata de eventos (ver imunidade humoral) e por isto a produção de anticorpos é lenta e aquantidade pequena num primeiro. A partir da segunda gestação, ou após a sensibilidade por transfusão sanguínea, se o filho é RH+ novamente, o organismo materno já conterá anticorpos para aquele antígeno e o feto poderá desenvolver a DHPN ou eritroblastose fetal.

O diagnóstico pode ser feito pela tipagem sanguínea da mãe e do pai precocentemente e durante a gestação o teste de Coombs queutiliza anticorpos humanos, pode detectar se está havendo a produção de anticorpos pela mãe e providencias podem ser tomadas. Uma transfusão recebendo sangue RH-, pode ser feita mesmo intra-útero já que Goiânia está se tornando referência em fertilização in vitro. O sangue RH- não possui hemácias com fator RH e não podem ser conhecidas como estranhas e destruídas pelos anticorpos recebidos da mãe.Após cerca de 120 dias, as hemácias serão substituídas por outras produzidas pelo próprio indivíduo. O sangue novamente será do tipo RH+, mas o feto já não correrá mais perigo.































FATOR RH

O agente RH é uma proteína sanguínea que pode ou não estar presente no sangue humano. No primeiro caso, diz-se que a pessoa possui R+ (RHpositivo) ou no outro, RH- (RH negativo)




ERITOBLATOSE FETAL

É uma doença hemolítica causada pela incompatibilidade sanguínea do fator RH entre o sangue materno e o sangue do bebê. O problema se manifesta durante a gravidez de mulheres RH- que estejam gerando um filho RH+. A doença ataca os glóbulos vermelhos do bebê e em alguns casos podem levar até a morte do feto. Quando issoacontece durante uma gestação, a mulher produz anticorpos anti RH para tentar destruir o agente RH do feto que eles dão como um intruso.




TRATAMENTO

Para determinar a gravidade do problema é possível fazer exames através do líquido amniótico, ou seja, fazer uma transfusão sanguínea fetal, intra-uterina e/ou extra-uterina pois cada um desses métodos tem sua indicação clínicaespecífica e pode ou não interromper a gestação. Ou seja, o bebê recebe sangue RH – que não é destruído pelos anticorpos da mãe no recém-nascido, pois não têm o antígeno, depois de certo tempo, as hemácias RH- do bebê são totalmente substituídas por outras RH+.




PREVENÇÃO

Para se proteger da eritroblastose fetal, a mãe RH- que tem parceiro RH+ pode receber gamaglobrilina anti RH...
tracking img