Era uma vez a caranguejo!

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (621 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Campina Grande é uma cidade que não sabe conviver com seu passado, não possuímos as marcas de suas várias historicidades. Falando sobre Nova Iorque, o pensador francês Michel de Certeau afirmou que:“Diferente neste ponto de Roma, Nova Iorque nunca soube a arte de envelhecer curtindo todo o seu passado. Seu presente se inventa, de hora em hora, no ato de lançar o que adquiriu e de desafiar ofuturo” . Me parece que, salvo as devidas proporções, a cidade de Campina Grande possui uma característica que é marcante em Nova Iorque, não se sabe conviver com o seu próprio passado! A cidade deve servanguarda, ganhar o progresso. Desta forma, a “capital do trabalho”, a “ rainha da Borborema” têm seu patrimônio histórico sendo profanado cotidianamente em nome do capital.
Nesta seara, no último dia22 de setembro, tivemos a demolição do prédio da antiga fábrica de aguardente Caranguejo, às margens do Açude Velho. Um grande trator de esteira em pouco mais de uma hora levou a baixo praticamentetoda a estrutura do prédio. Em agosto de 2010 foi a vez da chaminé-bueiro, uma das três existentes naquelas cercanias, testemunhando a primeira etapa de industrialização da cidade. O parque industrialsobreviveu bebendo as águas do Açude Velho e o “ouro-branco” prosperou sendo comercializado no mundo todo, dando o status à Campina Grande de “Liverpool brasileira”, exatamente pela pujança no comercioalgodoeiro só superado por esta cidade inglesa.
Às 06 da manhã o trator-esteira iniciou o processo de destruição no lado defronte ao Hiper Bompreço, rasgando a face de entrada do prédio, trabalhoeste que foi paralisado e transferido para a noite por conta do trânsito verificado no horário. Às 09 da noite, pontualmente, o processo se desenrolou. Munido de filmadora e máquina fotográfica, estiveem conjunto com o Prof. Vanderley de Brito para fazer o que nos restava, registrar aquela destruição. “Doeu no coração!! A imensidão da máquina e a poeira foi a dor nos olhos!!!, me disse a...
tracking img