Entorse tibio-társica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 21 (5191 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ÍNDICE

1. INTRODUÇÃO 5

2. REVISÃO DA LITERATURA 6

3. Tratamento fisioterapêutico 11

4. CONCLUSÃO 18

5. BIBLIOGRAFIA 20

ÍNDICE DE IMAGENS

Figura 1: Articulação tíbio-társica vista pelo lado externo (Esperança Pina, 2003) 6

Figura 2: Articulação tíbio-társica vista pelo lado interno (Esperança Pina, 2003) 6

Figura 3:entorsede grau i 7

Figura 4: entorse de grau ii 7

Figura 5: entose de grau iii 7

Figura 6: teste de gaveta anterior (Gubiani, 2004) 13

Figura 7: testes da gaveta posterior (gubiani, 2004) 13

Figura 8: teste de estabilidade lateral (gubiani, 2004) 13

Figura 9: teste de estabilidade medial (gubiani, 2004) 14

1. INTRODUÇÃO

Opresente trabalho surge no âmbito da disciplina de Fisioterapia Aplicada às Condições Ortopédicas e Traumatológicas, inserida no plano de estudos do curso de Fisioterapia do 2º ano. Este foi proposto pelo docente da disciplina, no seguimento da matéria abordada nas aulas, com o objectivo de adquirir melhores conhecimentos acerca de alguns tipos de lesões, neste caso, a entorse da tíbio-társica.A entorse da tíbio-társica é, na actualidade, a lesão desportiva mais prevalente e uma das que ocorre com maior frequência na população em geral, (AMERICAN ORTHOPAEDIC FOOT AND ANKLE SOCIETY - AOFAS, 2005; ROYAL DUTCH SOCIETY FOR PHYSICAL THERAPY - KNGF, 2003), dai a sua importância no mundo da fisioterapia. Os fisioterapeutas trabalham de forma a proporcionar estabilidade ao tornozelo, aquandolesionado, pelo facto do seu desempenho funcional ser demasiado importante para a locomoção, e para a participação em actividades mais exigentes como por exemplo, a corrida e o salto.

O trabalho encontra-se organizado com uma introdução, revisão da literatura, tratamento fisioterapêutico, conclusão e bibliografia.

2. REVISÃO DA LITERATURA

A articulação da tíbio-tarsica é umadas articulações mais importantes do corpo humano e a mais susceptível à lesão (Hupperets et al, 2008), devido às forças que ela resiste e à massa que ela apoia (Morrison & kaminski, 2007).

A articulação tíbio-tarsica é a articulação que permite movimentos entre a perna e o pé (Esperança Pina, 2003), sendo estes movimentos de flexão e extensão (classificada como tróclea). As suassuperfícies articulares são duas: a primeira é formada pelas extremidades inferiores dos ossos da perna (tíbia e perónio), solidamente unidas pela articulação tíbio-peronial inferior que vão encaixar, na segunda, no corpo do astrálago (Marques, 2004). Os meios de união compreendem uma cápsula e dois ligamentos laterais muito fortes. O ligamento lateral externo composto por três feixes distintos quedivergem do maléolo externo para o astrálago (feixe perónio-astragaliano anterior e feixe perónio-astragaliano posterior) e para o calcâneo (feixe perónio-calcaneano) (Fig. 1). O ligamento lateral interno é composto por duas camadas, uma superficial (constitui o ligamento deltoideu possuindo fibras anteriores, posteriores e médias) e outra profunda. Esperança Pina, 2003 (Fig. 2).

Figura 1:Articulação tíbio-társica vista pelo lado externo (Esperança Pina, 2003)

Figura 2: Articulação tíbio-társica vista pelo lado interno (Esperança Pina, 2003)

Conforme Keen (1990), citado por Kisner & Colby (1998), uma entorse é uma sobrecarga grave, estiramento ou laceração de tecidos moles como a cápsula articular, ligamento, tendão ou músculo. Esse termo é frequentemente usado em referência específicaà lesão de um ligamento, e recebe a graduação de primeiro grau (leve), segundo grau (moderado), ou terceiro grau (grave). Relativamente ao primeiro grau os sinais clínicos são dor leve na hora da lesão ou nas primeiras 24 horas, ocorre edemaciamento leve, hipersensibilidade local e dor quando se coloca alguma sobrecarga sobre o tecido. Em relação ao segundo grau a dor é moderada que exige a...
tracking img