Ensino fundamental paradidaticos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1140 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
LEITURA, IMAGINAÇÃO E CRIATIVIDADE
Carlos Eduardo Novaes em seu livro, “O Menino Sem Imaginação” (1996:22-149), conta de maneira muito criativa a história de uma família que, obrigada a viver sem a telinha, se vê constrangida a mudar seu dia-a-dia. No meio de toda essa mudança está Tavinho, um garoto que não tem imaginação criativa e que só é capaz de reproduzir aquilo que já viu antes, depreferência na televisão, ou seja: imaginação reprodutiva ou memória visual. O menino adora ver TV, e quando crescer seu desejo é sair da escola para não precisar fazer mais deveres e poder assistir televisão de manhã, de tarde e de noite. Nas férias passa dias interirinhos na frente da telinha, só sai para ir ao banheiro. Só compra aquilo que vê nos comerciais, e adora o sistema de vendas diretas emque o locutor ordena “ligue já!”
Ele tem três aparelhos de TV em seu quarto, os quais chama de Babá, Plim-Plim e Fantástica. Além disso, o garoto se relaciona com eles como se fossem membros da família. Babá é a sua televisão mais antiga, ela o viu nascer e crescer. Tavinho a ganhou quando era ainda muito pequeno, presente de sua mãe. Ela o colocava sentado na frente do televisor para que ficasseali, horas e horas, quietinho, sem chorar nem perturbar ninguém, apenas consumindo suas imagens. Enquanto Babá é lenta e demora para funcionar, Plim-Plim é uma televisão mais jovem, moderna e dinânica, ela está sempre animada e sente prazer em estar sempre ligada. Ela tem até um sistema de timer capaz de desligá-la sozinha após Tavinho pegar no sono. Fantástica é ultra-moderna, cheia de novidadese recursos tecnológicos de última geração. No dia que a recebeu, o garoto explodiu de emoção, e pegando um controle remoto pela primeira vez em suas mãos estendeu o braço para cima e gritou: “eu tenho a força”! Ele estava feliz por não precisar mais sair do lugar para mudar de canal, “agora ele tinha o controle”.
Tavinho gosta de assistir as três tevês ao mesmo tempo, e passa o tempo todo olhandopara elas e se abastecendo de imagens que ele não consegue criar por conta própria. Ele é tão viciado que ao sair na rua não pode ver uma TV ligada. O menino vive muito feliz assim, até o dia em que há uma pane no sistema de telecomunicações (anomalia magnética) e o Brasil inteiro fica sem televisão. O fenômeno vira o país de pernas pro ar, afinal, como viver sem TV? Provoca uma tragédia nacionale leva a população a manifestar atitudes de dependência da TV. Muitas delas vão ao desespero e à beira da loucura, dentre elas estão aquelas que só conseguem dormir “vendo” televisão. Outras, não suportando a ausência das imagens e a solidão, se suicidam. Surgem novas doenças relacionadas com a falta da TV, e consequentemente novos produtos e serviços para preencher o vazio deixado por ela. Omovimento nas farmácias era intenso, muita gente apresentava sintomas negativos provocados pela falta de TV. A grande maioria não sabe o que fazer sem as imagens da telinha e, num ato de desespero, correm para as locadoras de vídeos (que em pouco tempo ficam vazias) na tentativa de satisfazer suas necessidades audiovisuais.
Essa situação cria um drama na família de Tavinho, que estava reunidaimpacientemente para assistir o jogo do Brasil justamente quando a TV escureceu. Depois, diante dos chuviscos da televisão, ficam esperando em silêncio o retorno das imagens enquanto olham para a TV e ouvem um rádio colocado encima dela, parecendo um bando de malucos dominados pela força de um hábito arraigado durante anos. Quando a TV saiu do ar tiveram dificuldades para dialogar, estavam tãoacostumados ao monólogo televisual que foi difícil voltar à prática desse “hábito antigo”. Parecia que além da televisão as pessoas também ficaram fora do ar ao se verem sem as imagens da TV.
A decepção aumenta ao ser anunciado pelo rádio e pelos jornais impressos que o fenômeno é a nível nacional e que não há previsão de quando as imagens voltarão, elas poderão demorar um ano ou até um século para...
tracking img