Encontro com milton santos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2023 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
“Encontro com Milton Santos: o mundo global visto do lado de cá” é um documentário de 2006 do cineasta brasileiro Sílvio Tendler. Discute os problemas da globalização sob a perspectiva de periferias. O filme é conduzido por uma entrevista com o geógrafo e intelectual Milton Santos, que ilustra algumas cidades, apontadas por ele, mostrando movimentos e revoluções que ocorreram na Argentina,Bolívia, Brasil, França, México entre outros países, com trilha sonora que expressa o sentimento de cada cena, músicas da periferia sem preconceitos ou censuras. Também são entrevistados representantes de outros países ou de manifestações.

O documentário que retrata a globalização ou o “Globaritarismo” (termo criado por Milton para designar a nova ordem mundial) pelos conceitos e ideais do Professor.O Professor que se considera um intelectual “outsider”. Acha que é difícil ser negro e intelectual no Brasil, afirma que não pertence a nenhum partido politico e tem medo dos marxistas ortodoxos.

Um intelectual que com muitos estudos e conceitos revolucionários adquiridos ao longo da vida e de suas experiências, tanto nacionais quanto internacionais, no tempo que ficou fora por escolha oupor exílio, conseguiu definir a globalização como um processo complexo que surgiu para atender ao capitalismo e principalmente, aos países desenvolvidos, mas ela é inevitável. O professor procura meios para colocá-la a favor dos países ditos “em desenvolvimento”, como é o caso do Brasil.

No documentário “Encontro com Milton Santos: o mundo global visto do lado de cá” são apresentados fatos quedemonstram a realidade global, que é negada e desprezada por politicos e pela maior parte da sociedade, que se deixa manipular e não percebe o que ocorre a sua volta.

Nunca na história da humanidade, houve tantas condições técnicas e ciêntificas para se fazer um mundo melhor, porém não o fazem e tão pouco se esforçam para tal mudança.

A maior preocupação dos chefes de estados de todo o mundo,é que a crise financeira não os afete, eles tentam de todas as maneiras afasta-lá, esquecendo que em seus países existem crises internas que afetam o desenvolvimento do mesmo, crises não só financeiras, mas que também são ignordadas.

Podemos citar as privatizações de empresas públicas, que causaram grandes impactos sociais e geraram indignação na população, um bom exemplo foi a privatização daVale do Rio Doce em 6 de Maio de 1997, o intuito foi o aumento dos lucros o que aconteceu pouco tempo depois da transação comercial.

Citam as tentativaz de privatização da água potável em Cochabamba, Bolívia em 2000 e o 3º Fórum Mundial da Água em Kioto, Japão em 2003, que por hora, foram evitados, mas isso é apenas uma questão de tempo. Creio que no dia que o oxigenio puder ser medido por uso,também será comercializado. O direito à vida e suas necessidades mais básicas, estão sendo comercializadas.

A fome, um mal que atinge muitos países é resultado de vários fatores, podemos citar a má distribuição dos alimentos e das riquezas, como os principais causadores desse problema.

Segundo o documentário, as grandes empresas e multinacionais não tem responsabilidade sociambiental, elasvisam somente os lucros das mesmas, independente do trajeto que será necessário para obtenção dos resultados.

O desemprego é uma condição para o crescimento da globalização, hoje pessoas são substituidos por máquinas para diminuir o custo da mão de obra e aumentar o lucro das empresas, as pessoas que trabalham, enfrentam condições precárias e escravas, com cargas horárias absurdas, mas que nãochegam a ganhar U$1,00 por dia, na maioria das vezes, fabricando produtos que custam o rendimento anual desses trabalhadores.

Eles são escravizados por grandes empresas, que buscam os países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, como as nações da Africa e a China, que aceitam tais condições.

Já ouvimos falar que se a população continuar crescendo nessa proporção, daqui uns anos não...
tracking img