Empreendedorismo e plano de negócios

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1218 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

PARTE I 3
PARTE II 5
1.1 PLANEJAMENTO DE MARKETING 5
CONCLUSÃO 6
REFERÊNCIAS 7
PARTE I

01) Mencione a origem do termo empreendedorismo e os pioneiros na
utilização do termo. Não se esqueça de associar as diferentes utilizações do termo ao economista que a citou.

O termo “empreendedor” tem origem no século XVIII, do francês entrepedre tendo
como traduçãoaproximada o termo “inter-fazedor”.

O vocábulo empreendor, tal qual é conhecido hoje, foi utilizado pela primeira vez
na esfera econômica pelo financista e homem de negócios Richard Cantillon que muito contribuiu para os alicerces do movimento empreendedor.No ensaio Essai sur la nature du commerce em general, publicado após sua morte, Cantillon, citado por Herbert e Link, estabelece três classes deagentes econômicos: Os latifundiários,cujos bens e riquezas foram adquiridos por herança e tradição, os funcionários, como sendo a categoria de profissionais que evitam ações que envolvam escolher ou tomar decisões e que agem no sentido de manter uma renda estável e os empreendedores, aqueles que realizam negócios no mercado por sua própria conta e risco com objetivo de obter lucros.
O pioneirismode Cantillon, ressalta a função econômica do empreendedor, porém, dissociando claramente os papéis de capitalista e empreendedor, não havendo necessariamente a assunção dos dois papéis pela mesma pessoa.
Nesse sentido, Ricardo Semler, é um bom exemplo brasileiro, tendo em vista que o mesmo utilizou-se de recursos próprios em seu empreendimento. Ainda como exemplo histórico de empreendedor, éconhecido Cristóvão Colombo que iniciou o descobrimento da América com o suporte da rainha Isabel, uma investidora em capital de risco. Outro teórico a cerca do empreendedorismo foi Schumpeter, que explicou os processos de expansão econômica no início da primeira metade do século XX, introduzindo o elemento empreendedor aos modelos econômicos vigentes que defendiam essencialmente o equilíbrio perfeitode mercado. Propôs que o empreendedor tem papel preponderante na criação e implementação de inovações tecnológicas e gerenciais, sendo dotado de características que proporcionam atitudes inovadoras que vem a quebrar o equilíbrio e a inércia do mercado, quando a partir da descontinuidade dos processos, geram períodos de prosperidade econômica. Apresenta-se um modelo de economia estática, no qual aatividade econômica se realiza essencialmente de maneira cíclica e idêntica, ou seja, com todos os agentes econômicos atuando de forma previsível na produção e consumo de bens.
“É o produtor que, via de regra, inicia a mudança econômica, e os consumidores
são educados por ele, se necessário; são por assim dizer, ensinados a querer coisas novas, ou coisas que diferem em um aspecto ou outrodaquelas que tinham o hábito de usar. Portanto, apesar de ser permissível e até necessário considerar as necessidades dos consumidores como uma força independente e, de fato, fundamental na teoria do fluxo circular, devemos tomar uma atitude diferente quando analisamos a mudança”
Rubens Vaz da Costa, afirma: “até o aparecimento da teoria de Schumpeter, as descontinuidades cíclicas eram explicadaspelos economistas em função das flutuações da atividade cósmica do sol, da alternância de boas e más colheitas, do subconsumo, da superpopulação etc.”. Assim, Schumpeter caracterizou o empreendedor como elemento essencial, senão único, capaz de propor e introduzir inovações que venham a criar prosperidade e riqueza no contexto econômico, principalmente pelo fato do empreendedorismo se destacar comouma das bases fundamentais para que se compreenda o processo da criação de riquezas e ciclos de crescimento econômico. Analisando o fato de não considerar essencial o empreendedor possuir capital para ser investido na inovação a ser implementada, surge fortemente a figura do investidor de risco na pessoa dos capitalistas, ou do governo como agente fomentador de desenvolvimento, apostando no poder...
tracking img