Elevadores de carga

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3591 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Elevador de obra
Transporte seguro Modelo pode ser a cabo ou de cremalheira, mas níveis de segurança diferem bastante. Operador qualificado também é fundamental para evitar acidentes

Nos últimos dez anos, a qualidade dos elevadores de obra deu um salto. Uma NR-18 mais exigente e a evolução tecnológica que permitiu o surgimento do modelo de cremalheira melhoraram a segurança nos canteiros etornaram o transporte vertical mais produtivo. Apesar de tanta evolução, ainda falta o mais importante: a conscientização do setor. Imprudência e descaso ? tanto do lado do fornecedor quanto do construtor ? ainda imperam em muitos canteiros. Se, de um lado, há obras modernas, em que itens de segurança são levados a sério, ainda nos deparamos com torres de madeira ? o que, apesar de ser aceito pelanorma, é considerado ultrapassado. ?Nas fiscalizações, as desculpas que escuto de construtores e advogados é que nunca aconteceram acidentes, apesar da falta de alguns itens de segurança?, conta Antonio Pereira, engenheiro da DRT (Delegacia Regional do Trabalho) de São Paulo. Ou seja, a mentalidade de alguns empresários parece ter parado no tempo. As responsabilidades, se encontradas inadequações,são do construtor. Por isso, é importante contratar bons fornecedores e saber o que exigir na hora de locar o equipamento ? um check list, com verificação de todos os itens de segurança é essencial. E, claro, saber comparar produtos, pois ainda existem empresas que oferecem elevadores sem manutenção ou, até mesmo, montados com sucata. Para garantir o funcionamento perfeito, deve-se realizar umplano de manutenção. Todos os dias, antes de começarem as operações, há uma verificação geral, feita pelo operador. E, uma vez por semana, o engenheiro da obra deve fazer uma inspeção mais detalhada. Por isso, além do cuidado na especificação e locação do equipamento, é importante conscientizar os operários por meio de treinamento e fiscalização. ?Falta, muitas vezes, um controle maior da empresa,que deveria colocar regras a serem cumpridas?, relata Regina

Zanella, engenheira de segurança do SindusCon-SP. Os operadores, por exemplo, têm de ter registro em carteira como guincheiro e passar por treinamento específico. As cancelas, pelas indicações de especialistas, parecem ser o item menos respeitado ? é comum encontrar cancelas sem funcionar, por falta de manutenção ou porque os operáriosnão se acostumam com o equipamento, que serve como barreira entre o pavimento e a torre. No sistema a cabo, há um controle eletromecânico para que a cancela não abra com o elevador em movimento e não exponha o operário. No modelo de cremalheira, o sistema é mecânico: a cancela só pode ser aberta por fora e pelo operador do elevador, ou seja, o risco de problemas é bem menor.

Principalpreocupação do construtor deve ser com a segurança. É fundamental verificar condições de certos componentes e não abrir mão de cancelas Cremalheira x cabo A cancela é apenas um dos contrastes entre os dois tipos de elevadores usados no Brasil: o a cabo e o de cremalheira. Tradicionalmente, o sistema a cabo é o mais utilizado, o que não significa que seja o melhor. A grande vantagem do elevador a cabo, e oque faz com que muitos construtores ainda o escolham, é o custo imediato ? menor do que o de cremalheira. Mas fazer a escolha com base no preço de locação ou de compra é uma maneira simplista de especificar. É preciso levar em conta itens como produtividade, segurança, rapidez na montagem e flexibilidade do equipamento. A produtividade do cremalheira, por exemplo, pode ser maior, já que o operadorfica na cabina e acompanha a carga. Assim, ajuda a descarregar e, mais do que isso, sabe onde deve parar. ?Às vezes tem alguém esperando para colocar uma carga e, se não chamou, o elevador a cabo passa direto. Já o operador na cabina decide onde vai parar, o que aumenta a produtividade, apesar de a velocidade, em geral, ser menor?, argumenta Luiz Henrique Ceotto, engenheiro de obras da InPar....
tracking img