Efeitos da crise economica nos bric

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1117 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de agosto de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ANHANGUERA EDUCACIONAL S.A
FACULDADE COMUNITÁRIA DE CAMPINAS

Liciele Marques Corrêa – RA 1099427354

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Campinas
2011

Introdução

Este trabalho irá abordar os principais impactos da Crise Econômica Financeira, também irá mostrar quais foram as medidas adotadas pelos 4 países que formam os BRIC (Brasil,Rússia,Índia e China).

Efeitos da Crise EconômicaMundial nos BRIC

Dos países dos BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China), o Brasil foi o que mais tarde registrou os impactos da crise financeira internacional. No entanto, quando chegou, a crise provocou na indústria brasileira os maiores estragos entre os quatro países emergentes, de acordo com a Nota Econômica elaborada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
A Nota mostra que a produçãoindustrial no Brasil caiu 20% no período de outubro a dezembro de 2008. A Rússia foi o país dos BRICs que teve a segunda maior queda na atividade industrial durante a crise. De acordo com a Nota da CNI, o recuo foi de 17,7% entre outubro de 2008 e janeiro de 2009.
Nesse grupo de países emergentes, a indústria indiana foi a terceira que absorveu os maiores impactos provocados pela crise – queda de2,6%, entre maio de 2008 e março de 2009. A produção indiana teve um impacto menor em relação ao Brasil e Rússia por dois motivos, segundo aponta a nota da CNI: baixa exposição da indústria local ao mercado externo e dinamismo do mercado interno.
A indústria chinesa foi, entre as quatro, a que melhor passou pelo período mais crítico da crise. Entre julho e novembro de 2008, sofreu uma queda de de5,5%. A partir de então, e até março de 2009, registrou crescimento de 8,2% e atingiu níveis “sensivelmente superiores” aos patamares de julho de 2008, o pico anterior da atividade industrial. A nota da CNI classifica essa trajetória da indústria chinesa de “claro movimento de recuperação”.

PIB do Brasil

O PIB brasileiro experimentou trajetória diferente dos outros três países. No Brasil, oPIB cresceu até o terceiro trimestre do ano passado, registrando a crise mais tarde que os demais.
China, Índia e Rússia iniciaram a queda dos respectivos PIBs antes do auge da crise. A Índia começou a trajetória de queda ainda em 2006, antes dos primeiros impactos do sub-prime nos Estados Unidos. No caso chinês, o PIB começou a arrefecer no terceiro trimestre de 2007 e, no russo, no terceirotrimestre de 2008. A queda de 9,8% do PIB russo no primeiro trimestre de 2009 evidencia que este foi o país dos BRICs que mais se ressentiu da crise internacional, de acordo com a Nota Econômica da CNI.

Câmbio

À exceção da China, que mantém o câmbio fixo, os países dos BRICs tiveram movimentos semelhantes de desvalorização e posterior valorização de suas moedas. No primeiro momento, a maioraversão ao risco mundial levou à desvalorização do real, do rublo e da rúpia.
O real se desvalorizou 50,6% frente ao dólar de julho a dezembro de 2008. O rublo, no mesmo período, caiu 20,7% em relação ao dólar. A desvalorização na Índia foi a menor, com a rúpia caindo 18,9% ante o dólar.
Na reversão da curva, as intensidades foram mais semelhantes. O real valorizou 10,2% de janeiro a maio deste ano,quando que, de fevereiro a maio, o rublo subiu 10%. De março a maio, a rúpia ganhou 5,7% frente ao dólar.

Medidas dos BRIC para amenizar o impacto da Crise Mundial

Para tentar amenizar os problemas, seus governos dão início a uma série de medidas, imitando as nações desenvolvidas na medida do possível, injetando dólares e reduzindo taxas de juros para ajudar a economia.No Brasil, a Vale,que dobrou sua produção de minério de ferro nos últimos anos para fazer frente à elevada demanda chinesa, reduziu em cerca de 10% a produção da commodity para se ajustar à retração mundial da demanda pelo produto.A Rússia destacou 170 bilhões de rublos (US$ 6,41 bilhões) do Fundo do Tesouro Nacional para depósito ao banco estatal VEB, como parte do plano de Moscou de US$ 200 bilhões para ajudar os...
tracking img