Educar para a sensibilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3707 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE DO OESTE E SANTA CATARINA – UNOESC
CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO
CURSO: PEDAGOGIA
DISCILINA: METODOLOGIA DA PESQUISA
PERÍODO: 3º

PROJETO DE PESQUISA

EDUCAÇÃO E SOLIDARIEDADE

PESQUISADORAS: CLEONICE ZORZOSão Miguel do Oeste(SC), junho de 2001.
TEMA: EDUCAÇÃO E SOLIDARIEDADE
TÍTULO: EDUCAR PARA A SOLIDARIEDADE

JUSTIFICATIVA

Atualmente é incontestável a afirmação de que a afetividade não é fator preponderante no processo ensino aprendizagem.
Na era da informatização, das grandes mudanças do mundo globalizado, o ser humanonão se sente valorizado e só é respeitado enquanto for útil.
Como pode o ser humano sentir-se motivado se vivemos num mundo cheio de guerras, onde o poder dita as regras, onde o mais forte faz as leis?
Como pode o ser humano viver num mundo marginalizado, onde a prostituição é um meio de sobrevivência, onde as pessoas matam e roubam?
Como se explicam as guerras, os roubos, as mortes, asbrigas, as antipatias, a violência em geral? Como o ser humano é capaz de odiar com tanta violência, a ponto de destruir os outros mesmo a custa de sua própria destruição na tentativa?
Como é possível viver em uma sociedade onde as desigualdades sociais são gritantes e muitos vivem à margem dos bens sociais?
É impossível classificar o ser humano como ser social se ele está entre os excluídos doprocesso produtivo da sociedade. Sendo um excluído, não tem direito à democratização, à cidadania, à voz. São inaproveitáveis, desnecessários, massa sobrante, mas estão presentes na sociedade, são seres humanos.
Poderia o ser humano determinar as condutas humanas? Poderia o ser humano desenvolver uma teoria capaz de dar conta dos processos que geram sua própria conduta? É possível o ser humanoatingir um desenvolvimento social dinâmico se não tem conhecimento de si mesmo? Será possível que sua grande eficácia para viver nos mais diversos ambientes se veja ocultada e anulada, diante de nossa incapacidade para conviver com os outros? E por isso fizemos guerra?
Será possível que a humanidade, tendo conquistado a terra possa estar chegando ao fim só porque o ser humano ainda não conseguiuconquistar a si mesmo, compreender sua natureza e entender-se enquanto ser humano?
Por que o processo de aprendizagem para os seres sociais é tudo?
Só podemos conhecer o conhecimento humano a partir dele mesmo.
É necessário resgatar o prazer pela vida. O respeito pelo outro.
“Não cabe dúvida de que o cérebro necessita do abraço para seu desenvolvimento, e as mais importantes estruturascognitivas dependem desse alimento afetivo para alcançar um nível adequado de competência. (...) sem aconchego afetivo o cérebro não pode alcançar seus ápices mais elevados na aventura do conhecimento.” (RESTREPO, 1995: p. 78)
Se pretendemos trabalhar, conviver e interagir com a criança, o adolescente e o jovem, é necessário conhecê-los melhor.
O bom relacionamento e a afetividade nesta fase, sãoelementos fundamentais na construção do conhecimento, bem como a formação do caráter, dos valores e limites que o ser humano necessita para uma convivência harmoniosa.
Consideramos a necessidade de realizar um trabalho ligado ao questionamento e a importância do bom relacionamento interpessoal entre alunos e professores e suas implicações no processo ensino aprendizagem.
Pretende-se com esse estudoauxiliar profissionais na área de educação que acreditam na capacidade humana e possam afetivamente comprometer-se quanto educadores das novas gerações, desenvolvendo seu trabalho com eficiência e compromisso social.
Somos sabedores das necessidades e da importância que seres pensantes precisam para crescerem, se desenvolverem e transformarem o meio social no qual convivem.
A educação pode...
tracking img