Edu lobo e carlos lyra: o nacional e o popular na canção de protesto (os anos 60)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 57 (14231 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Edu Lobo e Carlos Lyra: O Nacional e o Popular na Canção de Protesto (Os Anos 60)

Arnaldo Daraya Contier
FFLCH-USP


RESUMO
Trata-se de um estudo sobre as possíveis conexões entre a canção de protesto (Edu Lobo, Carlos Lyra) e os discursos do CPC durante os anos 60. As criações artísticas são analisadas com vistas a captar os vínculos entre o nacional-popular na canção brasileira eo impressionismo (C. Debussy), o cool-jazz (Miles Davis), Rodgers and Hart, Heitor Villa-Lobos (modernismo), Waldemar Henrique.
Palavras-chave: música de protesto, nacional-popular, linguagem.

ABSTRACT
This is a study if the possible connections between the protest song (Edu Lobo, Carlos Lyra) and the CPC discourses in the 1960s. The artistics creations are analysed with a view topointing out the ties between the national-popular in Brazilian song and the impressionism (C. Debussy), the cool-jazz (Miles Davis), Rodgers and Hart, Heitor Villa-Lobos (modernism), Waldemar Henrique.
Key words: protest song, national popular, language.


"Quem me dera agora/
Eu tivesse a viola pra cantar."
(Ponteio. Edu Lobo/Capinam)
"Pobre samba meu /
Foi-se misturando, semodernizando/
E se perdeu/
E o rebolado, cadê?
Não tem mais.../"
(Influência do jazz. Carlos Lyra)

A CANÇÃO DE PROTESTO: ALGUMAS REFLEXÕES
O surgimento de novos mitos da música popular, presos a uma explicitação mais política de suas linguagens - poética e musical -, favoreceu a ampliação de um mercado consumidor desse imaginário. Muitos dos artistas envolvidos com a canção participante,tais como Carlos Lyra, Edu Lobo, Sérgio Ricardo, Geraldo Vandré, César Roldão Vieira, inspiraram-se em algumas ideias divulgadas pelos Centros Populares de Cultura, pelo Teatro de Arena pelos debates promovidos pela UNE nas Universidades.
Muitos desses artistas envolveram-se, em determinadas fases de suas carreiras, com projetos culturais inspirados na função social e política da música, oraparticipando de shows para estudantes universitários promovidos pela UNE; ora escrevendo trilhas sonoras para peças de teatro - Edu Lobo - Berço do Herói, de Dias Gomes ou Arena conta Zumbi, de Gianfrancesco Guarnieri; ou Carlos Lyra - A mais valia vai acabar, seu Edgar (Oduvaldo Vianna Filho); Pobre menina rica (Vinicius de Moraes) ou Gimba (G. Guarnieri), ora inscrevendo-se nos Festivais da Música eda Canção patrocinados pelas emissoras de televisão dessa época: Excelsior (Arrastão Edu Lobo), Record (Ponteio e Memórias de Marta Saré, Edu Lobo); ora seus textos eram incluídos em shows como o Opinião (escrito por Oduvaldo Vianna Filho, Armando Costa, Paulo Pontes, 1964-1965), como Borandá, Chegança, de Edu Lobo; ou Marcha da quarta-feira de Cinzas ou Missa Agrária de Carlos Lyra.
A chamadacanção de protesto, escrita por dezenas de compositores durante os anos 60, num primeiro momento, representava uma possível intervenção política do artista na realidade social do país, contribuindo assim para a transformação desta numa sociedade mais justa. Edu Lobo, Carlos Lyra, imbuídos desse imaginário político, aproximaram-se de arranjadores (maestros), de intérpretes, de intelectuais (ligadosaos CPCs, ISEB ou Departamentos de Sociologia das Universidades), de instrumentistas, almejando induzir, implícita ou explicitamente, através de suas canções (formas, instrumentos ou ritmos sacralizados como representações de uma memória genuinamente brasileira ou nacional: violão, frevo, urucungo, moda-viola) algumas práticas revolucionárias, a partir de suas mensagens.
Paradoxalmente, a partirdo levantamento de críticas de jornais e revistas dos anos 60, de posturas ideológico-políticas diversas - Opinião, Movimento, O Estado de S. Paulo, revista O Cruzeiro, jornal O Globo - devido à natureza essencialmente polissêmica do signo musical, o nacional-popular na música era re-inventado politicamente, sob ângulos diversos: a) folclore + ufanismo + brasilidade; b) brasilidade + folclore +...
tracking img