Ecologia de larvas de gyrinidae (hexapoda: coleoptera) no córrego curral de arame dourados- ms

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3964 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ECOLOGIA DE LARVAS DE GYRINIDAE (HEXAPODA: COLEOPTERA) NO CÓRREGO CURRAL DE ARAME DOURADOSMS.
Diana Douglas1; Jelly Makoto Nakagaki2. 2 UEMS, C. Postal 531, 79804-970 Dourados-MS E-mail: dianabiouems@hotmail.com. 1 Bolsista Pibic/CNPq – UEMS

RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar a ocorrência das espécies de larvas da família Gyrinidae no período de um ano, ao longo do córregoCurral de Arame (Dourados, MS), verificando a variação sazonal e a distribuição espacial em freqüência de ocorrência para larvas e adultos e de tamanho médio de adultos, correlacionados à temperatura, pH, oxigênio dissolvido, condutividade e turbidez. De março de 2007 a fevereiro de 2008 foram realizadas coletas mensais em três pontos do córrego Curral de Arame, utilizando o coletor surber, o puçá(D-shape) e puçá circular. No total, 1.162 indivíduos foram capturados, dos quais 1.141 eram adultos e todos coletados na superfície próximo da margem, e 21 eram larvas coletadas no substrato bentônico. Os adultos apresentaram uma maior ocorrência nos meses de Março e Maio/2007 e entre os meses de Novembro/2007 e Janeiro/2008. As larvas apresentaram maior ocorrência no mês de Setembro/2007,estando ausentes e com poucos exemplares nos outros meses de amostragem. Cada indivíduo adulto foi então sexado, baseado no tarso anterior, e mensurado quanto ao comprimento da cabeça (HL), comprimento do pronoto (PL), comprimento do élitro (EL), comprimento do corpo padronizado (SBL) e a maior largura do élitro (GEW). Estas medidas foram utilizadas para comparações entre os indivíduos dos três trechosdo córrego e ao longo do ano para verificar possíveis alterações morfológicas frente às diferenças ambientais.

Palavras-chave: Macroinvertebrado bentônico. Distribuição espacial e sazonal. Biometria.

INTRODUÇÃO Os macroinvertebrados bentônicos de água doce constituem um grupo diversificado de organismos que habitam tanto ambientes lênticos (reservatório, lagoas e lagos) como lóticos (rios,riachos e córregos) (RIBEIRO; UIEDA, 2005). Nestes ambientes encontramos uma grande diversidade de macroinvertebrados, dentre os quais a classe dos insetos predomina tanto em diversidade como em abundância (HYNES, 1970, LAKE, 1990). A ordem Coleóptera é diversificada tanto em número de espécies quanto nos tipos de ambientes explorados por essas espécies. Possui aproximadamente 357.899 espéciesdescritas, o que corresponde cerca de 40% do total dos insetos conhecidos e 30% dos animais, dentre os quais, segundo Costa et al. (1988), a família Gyrinidae possui cerca de 700 espécies, distribuída em 11 gêneros. No Brasil encontram-se 4 gêneros e 48 espécies. Os Gyrinidae adultos são besouros ovais, freqüentemente encontrados nadando em círculos na superfície de lagoas e riachos de correntezalenta. Também podem ser encontrados no fundo da água. Nadam com rapidez, devido ao auxilio das patas medianas e posteriores que são grandemente achatadas; as patas anteriores são alongadas e delgadas. Tanto larvas, como adultos são predadores. As larvas alimentam-se de pequenos animais aquáticos, podendo se alimentar de indivíduos menores da própria espécie. Os adultos se alimentam principalmente deinsetos que caem na superfície da água e ficam na superfície da água, formando grandes agrupamentos. A cópula ocorre na face ventral da água, os ovos são depositados em aglomerados ou fileiras na face ventral das folhas de plantas aquáticas. As pupas formam-se em câmaras de lodo junto às margens (BORROR; DeLONG, 1988). As larvas de Gyrinidae ocorrem preferencialmente em águas paradas, porémalgumas espécies estão adaptadas a viverem em riachos. São predadoras ativas, bentônicas, e respiram através de brânquias abdominais. As larvas podem ser reconhecidas por apresentarem corpo alongado, cabeça prognata, pernas torácicas longas e geralmente um par de urofongos terminais, além de garras tarsais bífidas (BORROR; DeLONG, 1988). A distribuição dos insetos ao longo do riacho depende de vários...
tracking img