Drenagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 35 (8684 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de outubro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
DRENAGEM URBANA
Material didático para Drenagem Urbana.
Socorro Lamego

1

I - SISTEMAS DE DRENAGEM PLUVIAL
1. Introdução
Os sistemas de drenagem são classificados de acordo com suas dimensões, em sistemas de
microdrenagem, também denominados de sistemas iniciais de drenagem, e de
macrodrenagem.
A microdrenagem inclui a coleta e afastamento das águas superficiais ou subterrâneasatravés de pequenas e médias galerias, fazendo ainda parte do sistema todos os
componentes
do
projeto
para
que
tal
ocorra.

A macrodrenagem inclui, além da microdrenagem, as galerias de grande porte ( D > 1,5m )
e os corpos receptores tais como canais e rios canalizados.
I.2. Terminologia Básica
Um sistema de drenagem de águas pluviais é composto de uma série de unidades e
dispositivoshidráulicos para os quais existe uma terminologia própria e cujos elementos
mais
freqüentes
são
conceituados
a
seguir.
Greide - é uma linha do perfil correspondente ao eixo longitudinal da superfície livre da
via
pública.
Guia - também conhecida como meio-fio, é a faixa longitudinal de separação do passeio
com o leito viário, constituindo-se geralmente de peças de granito argamassadas.Sarjeta - é o canal longitudinal, em geral triangular, situado entre a guia e a pista de
rolamento, destinado a coletar e conduzir as águas de escoamento superficial até os pontos
de
coleta
(Figura
I.1).
Sarjetões - canal de seção triangular situado nos pontos baixos ou nos encontros dos leitos
viários das vias públicas, destinados a conectar sarjetas ou encaminhar efluentes destas para
ospontos
de
coleta
(Figura
I.2).
Bocas coletoras - também denominadas de bocas de lobo. São estruturas hidráulicas para
captação das águas superficiais transportadas pelas sarjetas e sarjetões; em geral situam-se
sob o passeio ou sob a sarjeta (Figura I.3).

2

Figura I.1 - Modelo de sarjeta

Figura I.2 - Sarjetão típico em paralelepípedos
Galerias - são condutos destinados aotransporte das águas captadas nas bocas coletoras até
os pontos de lançamento; tecnicamente denominada de galerias tendo em vista serem
construídas com diâmetro variando de 600mm a 1500mm.
Condutos de ligação - também denominados de tubulações de ligação, são destinados ao
transporte da água coletada nas bocas coletoras até às galerias pluviais (Figura I.3).
Poços de visita - são câmaras visitáveissituadas em pontos previamente determinados,
destinadas a permitir a inspeção e limpeza dos condutos subterrâneos (Figura I.4).
Trecho de galeria - é a parte da galeria situada entre dois poços de visita consecutivos.
Caixas de ligação - também denominadas de caixas mortas, são caixas de alvenaria
subterrâneas não visitáveis, com finalidade de reunir condutos de ligação ou estes à galeria(Figura I.5).
Bacias de drenagem - é a área contribuinte para a seção em estudo.
Tempo de concentração - é o menor tempo necessário para que toda a bacia de drenagem
possa contribuir para a secção em estudo, durante uma precipitação torrencial.
Tempo de recorrência - intervalo de tempo onde determinada chuva de projeto é igualada
ou suplantada estatisticamente; também conhecido como período derecorrência ou de
retorno.

3

Figura I.3 - Boca coletora sob passeio

Figura I.4 - Poço de visita típico
Chuva intensa - precipitação com período de retorno de 100 anos.
Chuva freqüente - precipitação com período de retorno de até 10 anos.
Chuva torrencial - precipitação uniforme sobre toda a bacia.
Pluviômetro - instrumento que mede a totalidade da precipitação pela leitura dolíquido
acumulado em um recipiente graduado - proveta.
Pluviógrafo - instrumento que registra em papel milimetrado especialmente preparado, a
evolução da quantidade de água que cai ao longo da precipitação, ou seja, mede a
intensidade de chuva.

4

.2. Objetivos
Os sistemas de drenagem urbana são essencialmente sistemas preventivos de inundações,
principalmente nas áreas mais baixas das...