Drenagem de solo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3698 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
CRISTIANA MOREIRA DA SILVA

DRENAGEM ADEQUADA DO VIVEIRO DE MUDAS DA UNIVERSIDADE LUTERANO DO BRASIL

MANAUS/AM
2011/2

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO 5
2. OBJETIVOS 5
2.1 Geral 5
2.2 Específicos 5
3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 5
4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 5
5. RESULTADOS 5
6. CONCLUSÕES 5
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5
8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 5

1. INTRODUÇÃO

2. OBJETIVOS3.1 Geral
Melhorar as condições do solo da área onde será construído o viveiro de mudas da ULBRA-MAO, fazendo com que a água pluvial não acumule e percole normalmente até uma fonte de saída.
3.2 Específicos
- Evitar que a área fique encharcada com a água da chuva;

- Melhorar o acesso de pessoas e equipamentos para a construção do viveiro de mudas;

- Diminuir a proliferação devetores em decorrência da água da chuva;

3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
O processo de degradação ambiental tem início quando a exploração de um determinado recurso natural se torna maior do que a capacidade da natureza de repor ou reconstituir este recurso com suas características originais.
Neste contexto, torna-se necessário acompanhar o desenvolvimento local e apontar aspectos falhos noplanejamento e gestão da área e dos recursos voltados a ela e oferecidos por ela, racionalizando a exploração dos bens disponíveis e direcionando a ocupação do solo para fins adequados em função de sua capacidade de exploração, na tentativa de preservar a qualidade do ambiente (Silva et al., 2003, p. 8-9).
O tempo tem mostrado que “o homem depende do solo – e, até certo ponto, bons solosdependem do homem e do uso que deles faz” (Buckman, 1968, p. 19). Muitas vezes, é o tipo de solo que determina qual a principal atividade econômica de uma região. Isso não quer dizer, como se poderia pensar num primeiro momento, que a importância do clima e do relevo esteja sendo desconsiderada, mas que o solo é resultado também da interação destes dois fatores. Portanto, o tipo de solo sintetiza, decerta forma, os aspectos ambientais de uma região, daí sua relevância nos estudos referentes à relação entre sociedade e meio físico.

SOLO
CONCEITO:
Para os fins deste estudo, solo é definido como (...) uma coleção de corpos naturais, constituídos por partes sólidas, líquidas e gasosas, tridimensionais, dinâmicos, formados por materiais minerais e orgânicos, que ocupam a 10 maior parte domanto superficial das extensões continentais do nosso planeta, contém matéria viva e podem ser vegetados na natureza, onde ocorrem. Ocasionalmente podem ter sido modificados por atividades humanas (Embrapa, 1999, p. 05).
O solo é, portanto, a base das atividades humanas, prestando-se não somente ao desenvolvimento da agricultura, mas também à extração de recursos minerais, ao estabelecimentode áreas urbanas e industriais, etc. Entretanto, é a agricultura que exige estudos mais detalhados do solo, envolvendo seus aspectos químicos e físicos, que podem apresentar variações com a profundidade, sendo necessária uma análise do perfil do solo, caracterizando seus horizontes principais.
A prática agrícola pode alterar as características naturais do solo. Portanto, a agricultura deve serembasada em técnicas adequadas para o tipo de solo e a topografia onde este ocorre, devendo o solo ter suas características constantemente monitoradas.

CLASSES DE SOLOS
A partir do momento em que a rocha aflora à superfície, ela tende a buscar um novo estado de equilíbrio, passando por uma série de alterações (intemperismo), que geram o solo. Portanto, a rocha é a base da formação do solo.Num primeiro momento do processo de formação do solo tem-se um horizonte superficial A, diretamente sobre a rocha. Este horizonte tem uma espessura de cerca de 10 cm e já caracteriza um primeiro tipo de solo, menos desenvolvido, denominado Neossolo Litólico.
A seguir, com a continuidade do processo de intemperismo da rocha, forma-se, entre esta e o horizonte A, o saprolito. Este material...
tracking img