Dpp - atividade colaborativa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 53 (13167 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
* PASSO 01
* Organize as informações das atividades colaborativas desenvolvidas nas aulas anteriores. O seguinte conteúdo deve estar incluído no relatório final:

1. Análise das questões fundamentais do mundo comtemporâneo e seu reflexo no mundo de trabalho, com foco no contexto brasileiro. Essas informações consta na tarefa 1 (itens 3 e 4).

Esta é uma questão que vem sendoapresentada de forma muito confusa, sendo, além disso, bastante complexa. Afinal, de que centro e de que mundo se está falando? Que tipo de trabalho? Por outro lado, a temporalidade das questões e mesmo das soluções que esse debate gere pode durar poucos dias. Em pouco tempo, questões, soluções políticas e tudo que se disser pode estar mudado. Mesmo assim, este é um tema tanto palpitante como movediço. Tudoque se afirma está, cada vez mais, provisório.
Apesar dessas considerações, enfim, o que está acontecendo? Diante do debate que se trava em torno da problemática trabalho e sua centralidade, uma certeza é cristalina: a continuar com a conformação que ora se estabelece mundialmente e se cristalizando esse tipo de desenvolvimento, a vida dos trabalhadores caminha para piorar. Outra verdade é queas transformações que se processam no mundo são surpreendentes. O que ocorreu nesses últimos vinte anos apresentou-se como humanamente impossível de predição. Há pouco tempo, fazia-se previsão para quinze, dez, cinco anos... Atualmente, previsões conjunturais realizadas para quinze dias são discutíveis. Qualquer previsão com esse prazo traz, em si mesma, a marca da ousadia. Houve crise da bolsamexicana, do petróleo, da queda do muro de Berlim, das bolsas asiáticas, brasileira, russa, argentina e nada de previsão. Vive-se na crise até hoje, mesmo que o discurso apontasse para a sua superação, desde a década de oitenta.
A constatação, contudo, do ponto de vista ideológico, é que foram transformações que se encaminharam rumo ao conservadorismo político. Acrescentem-se ainda as formulaçõesde um certo irracionalismo que vem se denominando de pós-moderno.
Do ponto de vista das idéias, vive-se diante de um grande retrocesso. Neste início de milênio, há uma busca por um “salve-se” em qualquer formulação ou teoria. O que está ocorrendo é um encontro de elementos cada vez mais precários. As opções surgidas, no campo do trabalho, como o toyotismo, não têm mais o mesmo empolgamento deseu início. Parece que o que se apresenta é uma mesclagem profunda de vários estilos de produção, ocorrendo com muita velocidade. Isso tudo pode suscitar a questão: será que não está surgindo um novo estilo de modo de produção? .
Entretanto, se isto se torna possível, não significa a passagem para o socialismo. A superação pode ser a do capital, mas isso não está claro. Está apresentando-se muitomais como período de transição; uma transição que está levando ao aumento da exclusão, ao ponto de jogar a África e regiões da América Latina fora do processo, impondo condições de vida piores do que as de épocas pré-históricas.
Há uma capacidade de destruição do capital e da humanidade, mesmo que possam apresentar-se tendências construtivas. Ora, nesse processo, há a destruição da própriaburguesia, considerando sua existência condicionada à existência da classe que lhe é antagônica: o proletariado.
Por outro lado, há uma queda na própria cultura da classe burguesa, sofrendo também sua destruição cultural. É patente a ausência de teoria nas formulações apresentadas pela burguesia americana e européia, presas, única e exclusivamente, à perspectiva da lucratividade, imergindo sob essaexigência os próprios estados considerados periféricos. Nessa situação, encontram-se a África, Ásia, grande parte da Europa, como também a maior parte da América, tendo-se no Brasil um exemplo clássico da impossibilidade de se “honrar” os compromissos com seus credores internacionais. A dívida brasileira foi rolada para frente em trinta anos, obrigando o país ao pagamento dos juros. Mas, até...
tracking img