Dpp anhanguera

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (579 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Os 200 anos do Banco do Brasil
O Banco do Brasil foi fundado por um Alvará expedido no Rio de Janeiro do príncipe regente D. João, futuro D. João VI, em 12 de outubro de 1808. Foi o 4º banco emissordo mundo, depois dos bancos da Suécia, França e Inglaterra. As condições do Brasil à época justificavam a criação do banco, pois a mineração em declínio, a grande escassez de moedas, a intensificaçãodas atividades comerciais com a abertura dos portos e as despesas com a família real reclamavam o aumento do numerário existente. O alvará de criação do Banco, bem como o estatuto que lhe atribuiu onome de Banco do Brasil, estão reproduzidos no final do texto.
Como se pode ver da leitura dos estatutos, o Banco do Brasil teria privilégios com duração de 20 (vinte) anos, findos os quais ou sedissolveria ou novamente se constituiria. Também é importante notar que, apesar das facilidades concedidas ao Banco, o início efetivo das operações do Banco somente se deu em 11 de dezembro de 1809, maisde um ano depois de sua fundação, com apenas um décimo de seu capital, que, três anos depois ainda não passava de 126:000$000 (cento e vinte e seis contos de réis).
A falta de uma administraçãocompetente e zelosa, aliada ao excesso de emissões, foram as duas principais causas do fracasso do Banco nessa primeira fase de sua existência. No livro História da Fundação do Império, do conselheiroPereira da Silva, relata-se “A administração do Banco nunca primou por acertada e prudente, espalhando-se, por vezes, boatos tais de malversações e extravios de dinheiro, que o governo viu-se forçado,não a proceder a rigoroso inquérito, como aconselhava a salvação do estabelecimento, mas a impor silêncio pela violência aos que davam curso àqueles boatos.”
Sem entrar em mais detalhes sobre adesastrosa administração do Banco, mas em função dela, em 1829 o Ministro da Fazenda Miguel Calmon, futuro visconde e marquês de Abrantes, enviou a Câmara dos Deputados proposta do Governo para dissolução...
tracking img