Dosagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 43 (10593 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1

DOSAGEM DOS CONCRETOS

O traço define a composição do concreto, e pode ser expresso:
- em peso: quando todos os componentes são dados em peso;
*- em volume: quando todos os componentes são dados em volume;
- indicação mista: (cimento em peso e agregados em volume);
* deve ser evitado (o cimento deve ser sempre medido em peso).
Obs.: paraqualquer deles, no entanto, o cimento é tomado como unidade.

NOTAÇÃO ADOTADA:
Observação: A mesma notação será utilizada em todos os processos de dosagem.
Traço Unitário em massa (TU):
1 - representa a unidade de massa de cimento (kg)
a - relação areia/cimento (kg/kg);
p - relação brita/cimento (kg/kg); (pode ser desdobrado em p1 + p2 );
m = (a + p) - relaçãoagregado total/cimento (kg/kg);
x - relação água/cimento (kg/kg);
γ - representa a massa específica dos componentes (kg/dm³);
δ - representa a massa unitária dos mesmos (kg/dm³);
c.m.i.- coeficiente médio de inchamento da areia úmida
C - consumo de cimento em kg por m³ de concreto pronto na forma.

Pode-se exprimir o traço de várias maneiras:
a) Traço em massa referido aokg de cimento (TU):
1 : a : p : x ou 1 : a : p 1 : p 2 : x
b) Traço em peso referido ao consumo de cimento por m³ de concreto:
C : Ca : Cp : Cx
c) Traço dos agregados em volume referido ao kg de cimento:
1 : a_(c.m.i.): p_ : x
δa δp
A indicação em peso é mais exata, não é todavia a mais utilizada na prática. Nas obras depequeno
vulto é mais usado o traço tipo c, acima, só que referido ao saco de cimento (50kg) e com o uso de padiolas para os agregados, ou seja:

1 sc de cimento: 50a (c.m.i.): 50p : 50x (em kg)
δa δp

MÉTODOS DE DOSAGEM:

Dosagem Empírica → realizada sem ensaiar o material. Utiliza bases arbitrárias, experiência anterior ou a tradição.“Só permitida em obras de pequeno vulto -
“É maneira inadequada de proporcionar o concreto”
fck ≤ 15 MPa ”

Dosagem Experimental → realizada em laboratórios, onde, através de ensaios, ficam conhecidos, tanto os componentes, quanto a mistura ideal para aquela aplicação prevista.
2

|NBR 12655/96 – Concreto: preparo, controle e recebimento (item 6.4)|
|Dosagem Racional e | |
|Experimental |Obrigatória para fck 15 MPa (C 15) |
|Dosagem Empírica |Apenas para fck = 10 MPa (C10), com C300 kg/m3 |




FLUXOGRAMA GERAL DE DOSAGENS

(Obs.: ler o quadro de baixo para cima)



| |Resumo Final |Cálculo do consumo de materiais por m³ de |
| |(para mistura de 1 saco de cimento em|concreto |
|Dimensionamento de Padiolas |betoneira) | |
|Traço Unitário Adotado |
|: : 1 : a : p : x|
| | | | | | |
|1- CLÁSSICA | | | | | |
|(LIVRO DO |2 - SIMPLIFICADA| |4 - fcj = 0,5 Rc|...
tracking img