Do positivismo à nova história: compreendendo os conceitos de tempo e espaço no estudo da história

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2920 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
DO POSITIVISMO À NOVA HISTÓRIA:
COMPREENDENDO OS CONCEITOS DE TEMPO E ESPAÇO NO ESTUDO DA HISTÓRIA

O termo “história” na Língua Portuguesa e nas línguas latinas de um modo geral nos remete a três sentidos distintos. O primeiro, mais generalizado, refere-se ao conjunto das ações humanas no tempo. O segundo sentido trata do conhecimento cientifico formal, registrado sob a expressão “ciênciahistórica”. O terceiro sentido do termo tem a ver com o acervo produzido pela ciência histórica, denominada Historiografia, sob a forma de documentos, registros escritos e orais, documentários, desenhos, inscrições, etc. A partir dessas acepções, pode-se definir História sob os seguintes aspectos: a história como cultura, isto é, o pensamento, a consciência e a experiência do tempo elaborada pelohomem; e a história como ciência, formalizada na capacidade do homem de construir e enunciar explicações para a ação humana na passagem do tempo, fundamentada em um conhecimento que não se constitui sem que o pensamento reflita sobre si mesmo. Assim a racionalidade do pensamento histórico requer um saber filosófico, reflexivo e epistemológico enquanto teoria.
A História dedica-se em seu estudoàs análises das relações sociais, culturais, políticas e econômicas dos homens. Estuda o comportamento humano com base em seus relacionamentos. Estuda a vida humana tanto do ponto de vista da temporalidade como dos processos que produzem os fatos dentro de um determinado espaço e tempo. Dessa forma, passa-se a compreender a fundo os fatos cotidianos, as relações interpessoais, os conflitosregionais, religiosos, etc. Em outras palavras, pode-se afirmar que a História relaciona-se harmoniosamente com o tempo e o espaço. E mais especificamente, ela relaciona-se como passado visto a partir do presente. O presente procurando dar um sentido e uma explicação ao passado.
Essa visão de conceito histórico mudou significativamente através dos tempos. Nem sempre foi assim. Etimologicamente o termo“história” nasceu como narração dos fatos, com o objetivo de que o passado não fosse esquecido. A partir dessa pequena referência, é possível pensar que a História adquiriu a função e a idéia de uma visão finalista, carregada de castigos e recompensas. Políbio [1], historiador grego, no século II a.C. justificava a força dos acontecimentos numa espécie de jogo de “fortuna” e acaso, direcionado por umpoder soberano que dava sentido e coerência à construção do antigo Império Romano, e assim, contava a história dos homens. A tradição Cristã, na conhecida Idade Média, escreve a história marcada pelo tempo de Deus e a Igreja dando sentido a história humana, respeitando um plano já pré-determinado. A História, até pelo menos o século XV, foi apenas um gênero menor a serviço da Teologia eintimamente ligada à moral.
Com a descoberta de outras civilizações, o próprio desenvolvimento do conhecimento humano e os estudo sobre a natureza humana os homens assumiram o lugar dos deuses como construtores de sua própria história. Cada vez mais distante das “providência divina”, a história encontra seu sentido no progresso humano. O Iluminismo pretendeu explicar o racionalismo do processohistórico, e o século XIX objetivou alcançar a liberdade e a perfeição humana.
Durante muito tempo, o principal objetivo da historiografia foi o de objetivar toda a vida social; a realidade era explicada ‘tal como realmente aconteceu’, através da ordenação dos eventos e dos pensamentos dos “grandes homens”. Os eventos e os autores eram relacionados sob uma ordenação cronológica.Então, o historiador deveria interferir tão pouco quanto fosse possível ao escrever os fatos históricos. Sempre de forma linear: o passado indo de encontro ao futuro. Essa forma de raciocínio sobre o conhecimento histórico encontra-se marcada pelos referenciais do Positivismo, que pregava o conhecimento obtido do passado e concebido como conteúdo inseto, pronto, acabado, que é preciso apenas...
tracking img